Boris perdeu, Juncker ganhou

Dois anos depois do referendo que decidiu o brexit, os britânicos já mudaram de primeiro-ministro, tiveram umas eleições quase inconclusivas, demitiram-se ministros e demoraram este tempo todo para escrever um documento de quase duzentas páginas sobre como é que querem que seja a saída e a vida com a União Europeia (UE) depois. Um documento cujas conclusões, note-se, precisam, finalmente, de ser discutidas com a Europa. E que fez Boris Johnson e David Davies caírem.

Pelo contrário, do lado da UE, há dois anos definiu-se uma estratégia que tem sido cumprida com rigor. Criou-se uma task force liderada por um francês, para manter o tema fora do dia-a-dia da Comissão, e os britânicos à distância; nunca se falou em novo referendo ou voltar atrás; disse-se o que se queria e quais eram as várias condições possíveis e, mais impressionante, nenhum dos 27 Estados membros agiu autónoma ou isoladamente. Dos polacos aos portugueses, dos franceses aos alemães, todos têm interesses diferentes a proteger na futura relação, mas ninguém tem dito nada em público que não esteja alinhado com a estratégia definida. Se há divisões, elas são discretas. Se há esperança de que tudo volte atrás, ninguém diz (e muitos nem desejam, reconheça-se). Se há disponibilidade para ceder, não se ouve.

Dois anos depois, os britânicos apresentaram um Livro Branco sobre o brexit que, segundo qualquer análise razoável, é o pior dos dois mundos. Ficam fora do processo de decisão mas dentro de muitas das regras. Obedecem, mas não mandam. E estão disponíveis para negociar regularmente com funcionários da Europa sobre como aplicam as leis europeias. Para quem queria recuperar o poder que a Europa tinha roubado, é pouco. Para quem queria mais democracia e menos burocracia, é pouquíssimo. Não são de estranhar as demissões, portanto. São só de lamentar. Se Davis e Johnson tinham uma ideia melhor, já deviam ter dito qual era. Se não tinham (e suspeita-se que não tinham), nunca deviam ter dito nada.

Para quem acha que o Reino Unido faz tanta falta à Europa quanto a Europa fará ao Reino Unido, tudo isto é lamentável. Prova de que uma campanha populista pode ganhar umas eleições, mas não saber o que fazer depois. Para quem achava que o brexit faria mal à Europa, o que aconteceu entretanto provou, mesmo que temporária ou provisoriamente, que os 27 vivem bem sem os britânicos e sem muitas saudades.

Entretanto, quem teve de reconhecer o seu erro foram todos os que achavam que a Europa devia ter mostrado capacidade de diálogo, disponibilidade para ceder e, até, quem sabe, aprender com o brexit para permitir que se estabelecessem formas mais flexíveis de integração. A estratégia seguida pela UE, de que o presidente da Comissão foi o campeão, provou, até agora, que a Europa consegue estar unida e falar a uma voz num tema divergente. E ganhar nas negociações com um país habituado a ter poder.

Os eurocéticos dividiram o país enquanto uniram a Europa. Talvez o futuro disto tudo não seja brilhante mas, para já, Juncker está a ganhar a Johnson.

* Consultor em Assuntos Europeus

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.