Vindos do Velho para seguir no Novo Ano

António Costa - é uma espécie de marqueteiro brasileiro, mas ao contrário. Faz más campanhas eleitorais, mas é como se estivesse, de propósito, a fazer asneiras até à votação, para, no dia seguinte, mostrar que é o melhor construtor de pontes políticas do mercado. Se ser marqueteiro é efémero, já Costa fica por cá a tentar provar que o que ontem era impossível, afinal, faz-se. Entre outras coisas, Costa pôs os portugueses, sempre fartos de eleições, curiosos sobre as próximas legislativas. Primeiro, para saber se Costa volta a colar cartazes suicidas e, a estender, em plena campanha e sem guitarras à volta, um microfone a desbocados umbiguistas como Carlos do Carmo. Segundo, para confirmar se os aliados atuais ainda estão dispostos a sair da cartola. Mas, embora seja natural a curiosidade dos portugueses, António Costa, o mau candidato e o bom político (e por estas duas razões), tem interesse em empurrar a próxima campanha para, pelo menos, para lá de 2016. O próximo ano vai valer pelo conseguir, ou não, acabar em alianças como começou.

Justiça/Sócrates - dizia-se que este era o ano em que ou se provava alguma coisa contra o ex-primeiro-ministro ou se provava que certos magistrados foram irresponsáveis. Errado. Essa alternativa, "ou, ou", foi derrotada. Nesta matéria, 2015 não foi adversativo, foi o ano da copulativa "e"! Sócrates suicidou-se como político "e" magistrados desonraram-se como defensores da lei. Cada entrevista de José Sócrates desautorizou-o como político, por causa do tipo de relação, revelado pelas suas próprias palavras, que ele tinha com o dinheiro de um amigo com negócios com o Estado; "e" cada capa dos jornais com fugas de informação desautorizou a investigação. Essa copulativa que os acasalou, Justiça/Sócrates, pariu um manto turvo sobre a sociedade. Note-se, ainda, que não se fala aqui do processo, porque desconhecemos, todos, tudo. Fala-se das palavras públicas de Sócrates e dos métodos manhosos da investigação. Ambos exemplificando factos lamentáveis, qualquer que seja o desfecho judicial. Acresce em ambos uma deslealdade: de Sócrates com o seu partido e a dos magistrados com a lei. Como se o poder de um e de outros não viesse exclusivamente daquilo que eles abusam.

Conselho de Estado - um órgão institucional tão desconhecido que até o atual Presidente o ignorou quando o país esteve confrontado com os mais polémicos dias pós-eleitorais da nossa democracia. Notável esquecimento, quando o CE serve para aconselhar o Presidente... Mas, a verdade, é que ele tem servido para armazenar individualidades que foram e já não são. Desta vez, a remodelação de 5 membros merece alguma atenção. Sendo um lugar de senadores, próprio de pessoas com experiência, a eleição de Adriano Moreira é notável. Os seus 92 anos são o menor dos argumentos para garantir o que ele tem para dar conselhos. Adriano Moreira não pertencer ao CE (onde, por exemplo, estava Luís Filipe Menezes) diz muito sobre o que somos, casa de pobres que desperdiçam. A cultura e inteligência de Francisco Louçã também justificam a sua eleição. Com esta ironia que deve ser lembrada: Louçã vai para o CE sem ter ainda declarado de forma pública e clara que não se importa de ser um conselheiro do Estado burguês.

Efeito Marcelo - lembram-se como estava Portugal no início de setembro? Já há meses completamente devotado à campanha eleitoral das legislativas, que, no entanto, só abriria a 20. As presidenciais são daqui a um mês, alguma coisa fervilha pelo país fora? Pois é, a silêncios destes chama-se efeito Marcelo. Exagero, claro, porque a ausência dos outros dois pesos-pesados presidenciáveis, Durão Barroso e António Guterres, também contou para ensurdecer o atual silêncio. Sendo assim, os sub à direita deram parte de fraco por causa de Marcelo Rebelo de Sousa e os sub à esquerda cresceram como cogumelos na ilusão da segunda volta. Aquela reação diz muito sobre a energia da classe política à direita e a da esquerda diz alguma coisa sobre o cimento das suas convicções. Duma e doutra, da ausência (PSD e CDS) e da variedade (de toda a esquerda), há que dizer que tiveram azar com o adversário - que já construiu na opinião pública a ideia de ser o candidato. O. Da visita, já longínqua, à Festa do Avante, à ida ao lançamento de mais um tomo da biografia de Cunhal, de Pacheco Pereira, Marcelo caça à unha na esquerda, tendo a certeza de que já arrebanhou a direita. Pelo caminho ainda aproveita para surfar a sua superioridade sobre aquele que vai substituir. E é tão fácil ganhar na comparação quando se é comunicativo, interessante, interessado... Mas Marcelo, que gosta de mergulhar no popular, sabe que os livros de provérbios estão cheios de avisos contra as certezas precipitadas.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.