Que se lixe a Grã-Bretanha?!!

Boris Johnson demitiu-se ontem de ministro dos Negócios Estrangeiros britânico. O assunto parecia ser o brexit, pois a demissão seguiu-se à de David Davis, o ministro encarregado das negociações com a União Europeia. Davis, que é por um brexit duro, saiu porque discordava da primeira-ministra Teresa May, aos olhos dele demasiado disposta a negociar com Bruxelas. A saída de Boris Johnson, outro duro, poderia ser também uma rejeição ao brexit negociado e brando... Mas provavelmente a demissão do político pantomineiro ("que se lixem os negócios!", disse Johnson há dias em reunião com empresários) tem que ver com razão mais prosaica: ganhar a liderança do Partido Conservador.

Não é a primeira vez que o brexit - assunto de imprevisíveis consequências para a Europa e, sobretudo, para a Grã-Bretanha - é manipulado por razões de cozinha partidária. Quando, em 2015, o então primeiro-ministro conservador David Cameron desencantou a necessidade do referendo sobre o brexit, foi para que o seu partido de uma vez por todas sacudisse a pressão à sua direita do pequeno partido UKIP (um só deputado nos Comuns), campeão do corte com a UE. Tanto Cameron como a sua ministra Teresa May eram a favor da permanência, mas o seu colega Boris Johnson fez campanha com o líder do UKIP, Nigel Farage, pela saída.

No verão de 2016, o brexit foi votado. Cameron, derrotado, e Farage, vencedor, lavaram as mãos e abandonaram a política, May foi liderar o governo para aplicar uma política que não queria e Boris Johnson entrou nele para mais um passo rumo a ser líder. O brexit nisto foi meramente instrumental. Brexit que, sabia-se do início, era uma confusão (como ontem se viu) e uma incógnita capaz de penhorar décadas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...