Que se lixe a Grã-Bretanha?!!

Boris Johnson demitiu-se ontem de ministro dos Negócios Estrangeiros britânico. O assunto parecia ser o brexit, pois a demissão seguiu-se à de David Davis, o ministro encarregado das negociações com a União Europeia. Davis, que é por um brexit duro, saiu porque discordava da primeira-ministra Teresa May, aos olhos dele demasiado disposta a negociar com Bruxelas. A saída de Boris Johnson, outro duro, poderia ser também uma rejeição ao brexit negociado e brando... Mas provavelmente a demissão do político pantomineiro ("que se lixem os negócios!", disse Johnson há dias em reunião com empresários) tem que ver com razão mais prosaica: ganhar a liderança do Partido Conservador.

Não é a primeira vez que o brexit - assunto de imprevisíveis consequências para a Europa e, sobretudo, para a Grã-Bretanha - é manipulado por razões de cozinha partidária. Quando, em 2015, o então primeiro-ministro conservador David Cameron desencantou a necessidade do referendo sobre o brexit, foi para que o seu partido de uma vez por todas sacudisse a pressão à sua direita do pequeno partido UKIP (um só deputado nos Comuns), campeão do corte com a UE. Tanto Cameron como a sua ministra Teresa May eram a favor da permanência, mas o seu colega Boris Johnson fez campanha com o líder do UKIP, Nigel Farage, pela saída.

No verão de 2016, o brexit foi votado. Cameron, derrotado, e Farage, vencedor, lavaram as mãos e abandonaram a política, May foi liderar o governo para aplicar uma política que não queria e Boris Johnson entrou nele para mais um passo rumo a ser líder. O brexit nisto foi meramente instrumental. Brexit que, sabia-se do início, era uma confusão (como ontem se viu) e uma incógnita capaz de penhorar décadas.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.