O desbaste Santana-Rio

Nada mais incerto do que o prazo de um governo. Uma solução governamental nunca pode dormir sobre as boas notícias, mesmo sendo elas sobre aquilo que conta para toda a gente, os índices económicos. Um sopro de incêndio estival - ou, pior, outonal - pode abalar todos os otimismos. António Costa sabe disso, ficou outro depois de Pedrógão e a maldita sequela. Então, porquê o vazio de oposição, desde que o PSD perdeu a liderança? Refiro o vazio do PSD, não conto com o arreganho do CDS, que Assunção Cristas (apesar da performance para a Câmara de Lisboa) não corre para primeira nem para segunda, mas tão-só para um maior bocado de menos de metade da direita. Então (quero eu dizer, não havendo nada mais incerto do que o prazo de um governo), tendo Passos Coelho abandonado, porque não houve candidatos a sério a substituí-lo? Santana é refogado e Rio é acanhado. E a campanha mostrou, deste, não mais do que julgávamos e, daquele, ainda pior do que nos lembrávamos (já nos tínhamos esquecido do que ele em eleições era capaz). À direita, a desesperança; à esquerda, o desejo errado na política: "Espero que ganhe, nos outros, o pior..." É que o pior dos outros nunca é garantido ser o adversário mais frágil contra nós - e, no caso de ele nos ganhar, perde o país. Contra este dilema geral, porquê, num partido que se arrisca sempre a ganhar, não houve entre os bons um calejado que agarrasse, enfim, a oportunidade? Ou um novato que a ousasse já? Chateia começar desasado 2018 quando as eleições são só para o ano.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.