Há que saber tudo

Escrevi tanto contra esse toca e foge que, tendo José Sócrates na mira, indiciava um comportamento de hienas... Nunca confundi esse comportamento com a crítica política ou antipatia pessoal que muitos declararam contra ele, ambas, justas ou não, legítimas. As acusações contra as quais me insurgia pertenciam à canalhice. Dois exemplos. No sábado, num debate televisivo e num artigo de jornal, a jornalista Felícia Cabrita referiu, sobre os gastos de Sócrates, a necessidade de ele sustentar "antigos vícios". E, no domingo, nos diretos do Campus de Justiça, um indivíduo de óculos escuros aparecia frente às câmaras mostrando o cartaz "Libertem XX". No cartaz, o nome inteiro de um ator. Esse o pano de fundo das acusações: calúnias. Esporadicamente, sopravam-se ligações do ex-primeiro-ministro a processos judiciais. Sopro, ar: nunca foi acusado. Calúnias e não processos - contra Sócrates foi o que houve, e só. Agora, temos uma situação nova. Magistrados acusaram e um juiz considerou haver indícios para prosseguir um processo contra Sócrates. A situação nova espevitou a canalhada, por um lado, e, por outro, os cidadãos pró e os cidadãos contra Sócrates. Para com os primeiros, repito o meu desprezo. Dos segundos, pró ou contra, espero o reconhecimento trivialmente democrático: cabe aos juízes julgar. E espero também uma vontade cívica forte: há que estar atento aos nossos interesses. Há que saber tudo. Aos pró e aos contra: sejam por nós.

Exclusivos

Premium

Contratos públicos

Empresa que contratava médicos para prisões não pagou e sumiu

O Estado adjudicou à Corevalue Healthcare Solutions, Lda. o recrutamento de médicos, enfermeiros, psicólogos e auxiliares para as prisões. A empresa recrutou, não pagou e está incontactável. Em Lisboa há mais de 30 profissionais nesta situação e 40 mil euros por pagar. A Direção dos Serviços Prisionais diz nada poder fazer.