Nunca lutes com um porco;

ficas todo sujo, e ainda por cima o porco gosta. Esta frase, do dramaturgo irlandês Bernard Shaw, encerra em si mais do que o sarcasmo em que ele era exímio: é uma lição de sabedoria política. Mas tem limitações, como todas. Às vezes somos mesmo forçados a lutar com porcos, quando algo muito importante depende disso, quando tem mesmo de ser. A questão é a de saber se chegou a altura de o fazer. Porque o risco é sempre enorme, e não tem nada que ver com coragem, ou falta dela: é que o porco leva-nos uma incomensurável vantagem na porcaria, e é muito difícil terçar, com seriedade, argumentos com alguém apostado em sacar de todos os truques baixos do cardápio, de todas as cartadas do populismo, da demagogia e das falsidades mais abjetas, usar todos os maus sentimentos e toda a ignorância e ingenuidade dos que assistem à refrega no sentido de fazer valer a sua posição.

Gosto tanto desta frase que já a usei para recusar um convite para integrar o painel de um programa de debate na TV. O meu interlocutor não a conhecia e ficou deslumbrado: "Foi a Fernanda que inventou?"

Quem me dera. Mas o ponto da recusa era, precisamente, o de saber que ao participar naquele painel estava não só, do meu ponto de vista, a credibilizar alguém que desprezo como a aceitar que o debate era possível. E não era - nem, sobretudo, havia nele qualquer utilidade.

Lembrei-me dessa conversa quando, em abril, vi, na quinta edição do festival Judaica, o filme Denial/Negação, sobre o processo de difamação que o negacionista do Holocausto David Irving colocou, nos anos 1990, a Deborah Lipstadt, uma historiadora judia americana especialista no processo de eliminação dos judeus levado a cabo pelo regime nazi. Um dos momentos cruciais do filme ocorre no início, quando Lipstadt dá uma conferência sobre o seu livro Negar o Holocausto (1993) e é desafiada por Irving, que está na audiência, a provar que o Holocausto aconteceu. Agarrando num maço de notas, este grita: "Dou mil dólares a quem consiga provar que Hitler ordenou o extermínio dos judeus." Lipstadt recusa debater com ele, limitando-se a pedir que se cale e saia. Ele vangloria-se: "Não quer debater comigo, chama a segurança para me calar." A imagem de Lipstadt como uma cobarde opositora da liberdade de expressão que não tem argumentos para o derrotar fica assim registada em vídeo (Irving levou um cameraman), por mais que esta explique que não debate com quem nega o Holocausto porque a existência do Holocausto não é matéria de opinião.

Como não debaterá, exemplifica, com quem diz que Elvis está vivo.

Mas Lipstadt teve mesmo de se confrontar com Irving, e no lugar de arguida. Teve de aceitar provar, num tribunal, 50 anos depois do Holocausto, que este existiu, e que Irving não só escreveu falsidades como fê-lo conscientemente, com o objetivo de branquear Hitler e de acusar os judeus de inventarem o massacre metódico do seu povo. E, o que é mais incrível ainda, não foi fácil fazê-lo. Mas como, perguntar--se-á. Houve milhões de mortos. Houve julgamentos dos responsáveis. Há campos de concentração mantidos como monumentos, há crematórios, há fotos, há testemunhos. Sim, há (ou havia) testemunhos; mas a equipa de defesa de Lipstadt recusou, e bem, submeter sobreviventes à humilhação de serem questionados por Irving. Restavam as provas puras e duras - e dessas, constata-se com espanto, não havia assim tantas. Os nazis destruíram os crematórios quando abandonaram os campos e nenhuma pessoa saiu das câmaras de gás com vida para contar.

Na libertação dos campos houve, claro, quem documentasse as pilhas de corpos emaciados e o estado dos sobreviventes. Mas não houve uma investigação metódica que recolhesse todos os indícios da chacina - ninguém antecipou, perante aquele pavor, que surgiria a tese de que era tudo mentira. A boa-fé é assim: raramente se precavê contra a má.

O que lembra outra frase famosa atribuída a outro famoso ironista, Mark Twain: "Uma mentira pode dar meia volta ao mundo antes de a verdade ter tempo de calçar os sapatos." Porque a verdade - aqui também no sentido de decência e de complexidade do mundo - é chata e comprida, empalidece e gagueja ante o descaramento da falsidade e da demagogia. Porque a verdade necessita de tempo para desmontar as mentiras, para se demonstrar. Porque ser sério e fundamentado dá muito mais trabalho do que mandar bocas e dizer coisas que vão ao encontro dos estereótipos, dos preconceitos, dos ódios. E agora, ainda por cima, temos o estribilho da "censura do politicamente correto" de cada vez que nos indignamos contra afirmações e posições que põem em causa valores basilares da civilização europeia que julgávamos (et pour cause) inquestionáveis para sempre, como a igualdade e o princípio da não discriminação.

O problema é portanto o de saber quando entrar na liça, se alguma vez.

Quando estamos, ao rebater um demagogo populista, a fazer o que ele mais quer - dar-lhe oxigénio, atenção, fazê-lo conhecido, acicatar a sua possível base de apoio através daquilo que ele qualificará como a "censura" dos "elitistas" e "politicamente corretos" - e quando temos mesmo de o combater. É um dilema terrível, como o fenómeno Trump demonstrou - e os seus imitadores tentam explorar.

Exclusivos

Premium

Primeiro-secretário da Área Metropolitana de Lisboa

Carlos Humberto: "Era preciso uma medida disruptiva que trouxesse mais gente ao transporte coletivo"

O novo passe Navegante abriu aos cidadãos da Área Metropolitana de Lisboa a porta de todos os transportes públicos, revolucionando o sistema de utilização dos mesmos. A medida é aplaudida por todos, mas os operadores não estavam preparados para a revolução e agudizaram-se problemas antigos: sobrelotação, tempos de espera, supressão de serviços, degradação de equipamentos.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Berlim, junto aos Himalaias

Há 30 anos exatos, Berlim deixou de ser uma ilha. Vou hoje contar uma história pessoal desse tempo muralhado e insular, num dos mais estimulantes períodos da minha vida. A primeira cena decorre em dezembro de 1972, no Sanatório das Penhas da Saúde, já em decadência. Com 15 anos acabados de fazer, integro um grupo de jovens que vão treinar na neve abundante da serra da Estrela o que aprenderam na teoria sobre escalada na neve e no gelo. A narrativa de um alpinista alemão, dos anos 1920 e 1930, sobre a dureza das altas montanhas, que tirou a vida a muitos dos seus companheiros, causou-me uma forte impressão. A segunda cena decorre em abril de 1988, nos primeiros dias da minha estada em Berlim, no árduo processo de elaboração de uma tese de doutoramento sobre Kant. Tenho o acesso às bibliotecas da Universidade Livre e um quarto alugado numa zona central, na Motzstrasse. Uma rua parcialmente poupada pela Segunda Guerra Mundial, e onde foram filmadas em 1931 algumas das cenas do filme Emílio e os Detectives, baseado no livro de Erich Kästner (1899-1974).Quase ao lado da "minha" casa, viveu Rudolf Steiner (1861-1925), fundador da antroposofia. Foi o meu amigo, filósofo e ecologista, Frieder Otto Wolf, quem me recomendou à família que me acolhe. A concentração no estudo obriga a levantar-me cedo e a voltar tarde a casa. Contudo, no primeiro fim de semana almoço com os meus anfitriões. Os dois adolescentes da família, o Boris e o Philipp, perguntam-me sobre Portugal. Falo no mar, nas praias, e nas montanhas. Arrábida, Sintra, Estrela... O Philipp, distraidamente, diz-me que o seu avô também gostava de montanhas. Cinco minutos depois, chego à conclusão de que estou na casa da filha e dos netos de Paul Bauer (1896-1990), o autor dos textos que me impressionaram em 1972. Eles ficam surpreendidos por eu saber da sua existência. E eu admirado por ele ainda se encontrar vivo. Paul Bauer foi, provavelmente, o maior alpinista alemão de todos os tempos, e um dos pioneiros das grandes montanhas dos Himalaias acima dos 8000 metros. Contudo, não teria êxito em nenhuma das duas grandes montanhas a que almejou. As expedições que chefiou, em 1929 e 1931, ao pico de 8568 metros do Kanchenjunga (hoje, na fronteira entre a Índia e o Nepal) terminaram em perdas humanas. Do mesmo modo, o Nanga Parbat, com os seus 8112 m, seria objeto de várias expedições germânicas marcadas pela tragédia. Dez mortos na expedição chefiada por Willy Merkl, em 1934, e 16 mortos numa avalancha, na primeira expedição comandada por Paul Bauer a essa montanha paquistanesa em 1937. A valentia dos alpinistas alemães não poderia substituir a tecnologia de apoio à escalada que só os anos 50 trariam. Bauer simboliza, à sua maneira, esse culto germânico da vontade, que tanto pode ser admirável, como já foi terrível para a Alemanha, a Europa e o mundo. Este meu longo encontro e convívio com a família de Paul Bauer, roça o inverosímil. Mas a realidade gosta de troçar do cálculo das probabilidades.