Uma nada raríssima tristeza

Gostamos de histórias simples. A das Raríssimas foi-nos servida assim, sem nuances, sem dúvidas -- e, se não era claro então tem de o ser agora, a partir de um lado de uma contenda de que não fomos informados. Mas, mais que dizer de um alegado excelente jornalismo, o que sucedeu diz de nós.

Quase nunca nada é simples. Nem histórias nem pessoas. Dizem-nos isso os grandes tratados filosóficos, a grande literatura e até os textos sagrados. Até os profetas fraquejam, duvidam, caem em tentação, tentam escapar ao destino. Nenhuma grande personagem de romance é monolítica. Karenina arrepende-se de ter querido morrer quando já na linha do comboio: "Que estou a fazer?" Jesus na cruz murmura: "Por que me abandonaste?" O discípulo Pedro trai-o, abjura-o três vezes, e no entanto será o fundador da sua igreja.

Sabemos isso por nós próprios, se formos capazes de nos vermos. Sabemos o quanto somos contraditórios. Sabemos que não somos simples, a preto e branco, e que os outros também não podem ser. E, no entanto, tantas vezes, agimos e pensamos como se fossem. Queremos histórias simples em que saibamos de quem gostar e a quem odiar, em que o bem e o mal estejam claramente demarcados, sem confusões nem neblinas, em que possamos dar gás à indignação, à raiva, ao espírito de turba, ou à adulação santificadora. Assim foi, assim tem sido com o caso da semana. Uma reportagem da TVI, transmitida sábado 9, apresentou-nos uma história assim, sem dúvidas: havia uma associação muito boa criada e dirigida por uma mulher muito má, que a coberto do prestígio e poder granjeados pela sua boa obra praticava desmandos e abusos, e pessoas que a denunciavam.

Aquilo que a reportagem denuncia é, à partida, muito censurável: uma presidente de IPSS que não só tem marido e filho assalariados da dita como fala deles como "os meus olhos e ouvidos aqui" e parece apresentar este último como "herdeiro"; que aufere um salário global de cerca de seis mil euros, incluindo PPR de oitocentos euros, cobrança de quilómetros casa trabalho numa viatura da organização e ainda põe despesas de roupa e supermercado no cartão de crédito da dita. Tudo muito mau. Mas, como nas histórias demasiado simples, devemos olhar melhor, perguntar que estamos a ver e porquê. Vemos gravações de reuniões internas da IPSS em vídeo. Vemos dois ex tesoureiros - portanto ex membros da direção da IPSS --, denunciar e acusar, um deles com anos nessa posição e portanto com amplo conhecimento das contas e corresponsabilidade falando como se não tivesse nada a ver com o que acusa e denuncia. Não vemos a reportagem questionar as responsabilidades de quem conviveu com os desmandos, de quem os avalizou nas contas da organização e porquê. Não nos diz quanto, já agora, auferiam os restantes membros da direção (nomeadamente os tesoureiros em causa) ou sequer quem são, ou qual a estrutura salarial da IPSS - só nos é referido o salário de um consultor que veio depois a ser secretário de Estado da Saúde e o era quando a reportagem foi para o ar, sem que seja dada qualquer informação sobre a adequação do tipo de trabalho por este desenvolvido àquela remuneração. Tudo aquilo que possa desviar o foco do alvo - a presidente da IPSS - é escamoteado. Tudo o que possa temperar a imagem diabolizada dessa mulher é retirado da equação. E o efeito, claro, é o esperado: um levantamento nacional contra ela, um clima de linchamento mediático.

Uma semana depois, e porque esta falou, numa entrevista à RTP (no Sexta às Nove), temos um enquadramento menos simplório do caso. Sabemos que houve denúncias cruzadas - à tutela (ministério da Segurança Social) -- da parte de quem acusa a ex-presidente, e da ex-presidente ao MP contra a sua ex-vice-presidente (é confuso, sim). E se a entrevista da ex-presidente à RTP corrobora algumas das denúncias da reportagem da TVI - desde logo a de uma atitude de prepotência e de auto-engrandecimento e a incapacidade de separar a organização de si mesma, claramente encarando-a como coisa sua -- levanta questões muito sérias: como foi possível transmitir em dezembro um trabalho alegadamente "de investigação" sobre a gestão da Raríssimas sem mencionar o facto de existir, desde julho, um inquérito no MP sobre alegados crimes cometidos pela ex vice-presidente? Que seriedade podemos conferir a uma "investigação" que à luz daquilo que agora se sabe devemos suspeitar ter sido municiada, senão desencadeada, por quem está a ser investigada por aquilo de que a ex-presidente é acusada na reportagem?

Claro que a denúncia contra a ex vice-presidente da Raríssimas pode ser caluniosa; claro que se pode vir a concluir que a ex-presidente é culpada de gestão danosa, que as duas o são ou nenhuma o é. Ou seja, neste momento sabemos muito pouco ainda. Mas temos de saber que a primeira história que nos serviram está viciada, porque não nos apresenta todos os elementos disponíveis, porque nos conduz para conclusões sem nos dar toda a informação que tinha a obrigação de nos apresentar. Chama-se a isso sensacionalismo e manipulação, portanto mau jornalismo - que neste caso chegou ao ponto da mais obscena devassa persecutória e moralista, com a entrevista ao secretário de Estado. Porém muito mais perigosa e preocupante que o mau jornalismo é a alegria com que tanta gente o aceita e incensa e se entrega ao ódio, sem resquício de dúvida ou reflexão, erguendo em turba as tochas para mais uma fogueira. E tudo isso em nome de uma ideia de bem e de bondade e de verdade, claro. Porque estamos todos muito preocupados com as crianças da Raríssimas, não é? E é Natal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.