O bem que Robles nos fez

Ricardo Robles pode, sozinho, ter feito mais pelo setor da habitação em Portugal do que toda a esquerda e direita juntas.

Quis o acaso que quando o tema Robles de Alfama explodiu estivesse - eu - de férias num lugar remoto. Não escapei pois a processos de intenções por a minha crónica de domingo, que escrevera na quarta, nada dizer sobre: estaria a evitar atacar o BE.

É curiosa esta acusação, porque se há assunto em que tenho insistido nos 12 (12, sim) últimos anos, em opinião e textos noticiosos, é o das leis da habitação e arrendamento, e na denúncia daquilo que considero uma atitude demagógica, ignorante e contraproducente por parte de vários atores políticos, sobretudo à esquerda. De tal modo o fiz que a minha insistência tem sido desconsiderada com o facto de ser senhoria - ou seja, "parte interessada". É verdade: sou senhoria. E esse facto permite-me não só conhecer a realidade como perceber a racionalidade dos agentes no mercado.

Robles, o vereador do BE na Câmara de Lisboa que se demitiu a semana passada, demonstrou-se um caso caricatural dessa racionalidade. E isso, que provavelmente lhe custou a carreira política (a ver) e abriu um rombo na credibilidade do seu partido, por, da líder aos rostos mais carismáticos, passando pelo ideólogo e alma mater Louçã, terem acorrido a defendê-lo, certificando que nada fizera de errado, dá-me alguma esperança de que nesta matéria em específico se possa falar com mais seriedade.

Porquê? Porque o que Robles fez foi demonstrar que quando chega a altura de fazer contas, independentemente da sua ideologia e boas intenções, um agente económico que quer fazer dinheiro no imobiliário não se decide por contratos de arrendamento vitalícios - nem sequer com pessoas cuja idade e tempo de ocupação do locado não foram tornados públicos mas foram descritas por Louçã como "idosos" e com as quais Robles, sonso, celebrou um contrato de oito anos com uma renda muito baixa (cujo critério de fixação desconhecemos), o que, num prédio que pôs à venda por mais de cinco milhões, significava serem convidadas pelo comprador a sair com uma indemnização baseada no valor da renda e portanto baixíssima - nem, tão-pouco, criar fogos para arrendamento habitacional de longa duração, cujas regras estão sempre a mudar e que partidos como o BE querem tornar outra vez hipergarantístico dos inquilinos, dificultando os despejos mesmo em caso de não pagamento de rendas ou de fim de contrato e transformando, no caso dos idosos e deficientes (pelo menos), contratos a termo em vitalícios.

Ao deliberarem intervir no mercado do arrendamento no sentido de o tornar cada vez mais penalizador para os proprietários estão a certificar que cada vez menos gente - mesmo no BE, ahah - queira investir nele ou nele permanecer.

Quem é que quereria investir centenas de milhares de euros, endividando-se, para apostar num negócio sem segurança jurídica, e no qual o mais certo é ter chatices e perder dinheiro? Robles, claramente, não. Apesar de tudo o que defende e sobretudo do que quer impor aos outros, não escolheu ser santa casa: antes ter lucro, e o mais possível, inclusive comprando a ótimo preço um edifício que foi para alienação numa altura, a da troika, em que o Estado vendia ao desbarato para se livrar de responsabilidades e despesas (o edifício precisava de obras e as rendas eram muito baixas) e "equilibrar" as contas públicas, numa prática que o BE bem denunciou e atacou.

Fez tudo ao contrário do que ele e o seu partido defendem, o que pode ser olhado como um caso triste e incidental de falta de caráter ou, como prefiro vê-lo, evidência de que o mundo não é a preto e branco como o discurso do BE e do próprio Robles o pintam, e que ao deliberarem intervir no mercado do arrendamento no sentido de o tornar cada vez mais penalizador para os proprietários estão a certificar que cada vez menos gente - mesmo no BE, ahah - queira investir nele ou nele permanecer.

É que a questão é simples: porque é que, para pegar num cavalo de batalha do BE e de Robles, o fundo de investimento que comprou a Fidelidade quer alienar as torres de Loures e despejar os inquilinos? Porque pode, desde logo, mas também porque a rentabilidade do arrendamento habitacional em causa não é interessante. Querer obrigar privados a assumir obrigações de política pública e assumir os prejuízos a isso inerentes - sem sequer, até hoje, se conceder um benefício fiscal que se veja a quem é obrigado a praticar rendas tabeladas em função do rendimento dos inquilinos - não resulta só em tragédias como a de Loures. Dá azo a exemplos como o de Robles: faz o que te obrigo a fazer com força de lei, não faças o que eu faço. Para um partido que gosta tanto de pregar moral, o BE faria bem em apreciar a desta história, e retirar dela mais que um mea culpa que não serve para nada.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Calma que isto é Portugal

Deve ter sido lá pelas duas, duas e meia, eu dava voltas a um texto que não se deixava domesticar e as pálpebras queixavam-se do cansaço, do fumo das cigarrilhas e de algumas metáforas rebuscadas. Quando me preparava para a última revisão ouvi alguém que descia a rua e pareceu estacar junto à janela do escritório. Um breve silêncio e logo o som inconfundível de um líquido que jorra por ação humana e o suspiro de alívio que o costuma acompanhar.

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.