Um Instituto Nacional de Experimentação

Não sei se Nostradamus gostaria de viver nos dias de hoje. Fazer previsões está cada vez mais difícil e prosperar num mundo repleto de incertezas tornou-se num enorme desafio das sociedades modernas. Curiosamente, é um desafio muito familiar para quem anda na batalha do empreendedorismo, onde as incertezas são o pão nosso de cada dia e nos fazem desconfiar de estudos e previsões, obrigando-nos a usar recorrentemente a arma da experimentação, isto é, testar produtos ou serviços reais, com clientes reais, e apurar resultados - bons ou maus - reais.

Em Portugal, o Instituto Nacional de Estatística faz um excelente trabalho e ajuda-nos, sobretudo, a entender o passado. Mas faz-nos falta experimentar o futuro, faz-nos falta um Instituto Nacional de Experimentação, um organismo independente e multidisciplinar, que teria como missão experimentar medidas que possam ter impacto direto no sucesso do país e na qualidade de vida dos portugueses.

Sonho com o dia em que frases como "sobre essa matéria não sei qual o melhor caminho, temos de testar medidas e perceber o que resulta melhor" cheguem ao discurso político. Não sou ingénuo ao ponto de achar que os resultados do Instituo Nacional de Experimentação seriam vinculativos, nem quero transformar políticos em tecnocratas, mas parece-me que temos muito a ganhar se conseguirmos trazer para o debate político alguns resultados reais fruto de experimentação.

Um exemplo simples: o rendimento básico universal. Em Portugal, para discutir este assunto, prevejo 5 prós-e-contras, e 20 debates na Assembleia da República, tudo isto num ambiente crispado, com posições extremadas e com argumentos típicos de uma discussão Sporting-Benfica. No final, que pode demorar anos, aposto que nenhuma das partes apresentará uma única conclusão tangível que ajude a decidir se a medida é positiva, ou negativa, para o País. Holanda e Finlândia fizeram algo que considero mais sensato, e que entra na lógica da missão do Instituto Nacional de Experimentação: avançaram para testes, estão a experimentar, pois só assim, num ambiente real, com pessoas reais, conseguirão perceber o verdadeiro impacto da medida.

Os mais céticos vão argumentar que não podemos usar as pessoas como cobaias. Sou da opinião que podemos, desde que se aplique o mesmo racional dos ensaios clínicos, ou seja, existindo uma comissão de ética que decide se o risco da experiência correr mal compensa, ou não, o eventual benefício futuro que poderá trazer para a sociedade.

"A experimentação é uma forma de compreender medidas antes de uma aplicação a nível nacional", a frase não é de nenhum pseudo-guru empreendedor, mas sim de Stefano Scarpetta, diretor da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico, que a proferiu num contexto de apoio aos países que estão a implementar programas de experimentação na área de Emprego e Trabalho.

A ideia de criar em Portugal um Instituto Nacional de Experimentação pode parecer algo utópica, mas ganha força quando vemos a própria OCDE a incentivar os países a testarem medidas fundamentais para a evolução da sociedade.

Fundador da startup Tech Snap City

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.