Semana Europeia da Formação Profissional: a formação profissional como trampolim para a progressão na carreira

Desde que me tornei comissária responsável pelo Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral em 2014, uma das minhas principais ambições tem sido estimular o crescimento do emprego na Europa. Quase cinco anos depois, o número de pessoas empregadas na UE alcançou níveis recorde, e o desemprego atingiu o seu nível mais baixo. Para obter um emprego, é essencial ter as competências adequadas. Mas o tipo de competências que são necessárias está a mudar tão rapidamente como a nossa sociedade moderna. Tendo em conta os progressos tecnológicos, a evolução científica e os desafios demográficos e ambientais, a aprendizagem ao longo da vida é fundamental para aumentar as oportunidades de emprego das pessoas.

Neste contexto, estou convencida de que as competências profissionais têm um enorme potencial para proporcionar às pessoas de todas as idades as capacidades de que precisam para aproveitar novas oportunidades. Por este motivo, tenho vindo a promover o ensino e a formação profissionais (EFP) desde o primeiro dia do meu mandato. O EFP representa uma oportunidade concreta e prática de ganhar novas competências, adquirir novos conhecimentos e aceder a novas carreiras que podem transformar o futuro das pessoas. Acima de tudo, toda a gente pode frequentar o EFP; os trabalhadores podem fazer a requalificação e atualização das suas competências em qualquer idade.

Os números falam por si: o EFP é um meio comprovado de conseguir um lugar no mercado de trabalho. Em 2018, a taxa de emprego dos jovens vindos do EFP foi de 79,5 %, em comparação com 66,3 % dos recém-diplomados do ensino secundário geral que entraram no mercado de trabalho. Além disso, está comprovado que os adultos que participam em atividades de educação e formação melhoram o seu desempenho no emprego.

Apesar das suas qualidades, há demasiadas pessoas a ver o EFP como uma «segunda escolha», de certa forma inferior a outras alternativas educativas. É por isso que iniciativas como a Semana Europeia da Formação Profissional são tão importantes. Agora no seu quarto ano, a iniciativa apresenta o EFP em todas as suas vertentes, destacando todo o potencial deste ensino abrangente. Estão previstos milhares de eventos e atividades ao longo de 2019 e durante a própria semana, de forma a pôr o EFP em destaque por toda a Europa.

Em Portugal, são agora mais numerosos os locais de estudo disponíveis para o EFP de nível superior. Também aumentaram os níveis de inscrição nos cursos de ciência, tecnologia, engenharia e matemática aplicada. Congratulo-me com estas realizações, que contribuirão para a inovação e o crescimento futuros do país. Paralelamente, é necessário envidar esforços para ajudar mais adultos em Portugal a desenvolver as competências digitais de base, dado que, atualmente, só metade da população adulta do país tem, pelo menos, as competências mínimas necessárias.

Regozijo-me pelo apoio de Portugal à Semana Europeia da Formação Profissional através da promoção do ​​​​​​​EFP, ajudando as pessoas a descobrir os seus talentos e permitindo-lhes explorar o que o EFP lhes pode oferecer, tanto agora como no futuro, e em qualquer fase das suas vidas.

Comissária europeia responsável pelo Emprego, Assuntos Sociais, Competências e Mobilidade Laboral

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.