RAP deu um abanão no politicamente correto

As recentes intervenções de Ricardo Araújo Pereira (RAP) sobre a questão do politicamente correto provocaram reações abespinhadas de várias pessoas de esquerda. Eu, que sou de esquerda e estou inteiramente de acordo com RAP, poderia dizer a essas pessoas que, ao contrário do que pensam, não é só nos países anglo-saxónicos que existem episódios estúpidos e preocupantes associados ao politicamente correto. Não esqueçam que no Norte de Itália um colégio cancelou as festas natalícias para não ofender os alunos de outras culturas e que em França houve ameaças de morte contra pessoas (nomeadamente historiadores) que se limitaram a dizer verdades politicamente incorretas. Saberão as tais pessoas abespinhadas o que foi o movimento Liberté pour l'Histoire e qual a razão por que surgiu? Lembrem-se, por favor, que em França já se chegou ao ponto de criminalizar certas palavras (ou ausência de certas palavras). É claro que alguns iludem o assunto à partida dizendo que tudo isso é no estrangeiro e que cá não existem esses picos de fundamentalismo. Mas estão enganados. Ainda há uns meses houve um burburinho por causa de um livro para crianças que não respeitaria os cânones do politicamente correto. Eu próprio escrevi sobre esse assunto aqui no DN.

De qualquer modo, não é por aí que quero ir. O que quero sublinhar é que a entrada de RAP neste debate, pela própria natureza da sua profissão e pela forma da sua crítica, veio pôr um dedo muito visível na ferida que verdadeiramente interessa. Essa ferida é o humor, ou melhor, a falta dele. É essa falta que está no âmago da questão. O politicamente correto e as pessoas que o perfilham não têm humor. Ou, então, perdem-no em certas circunstâncias. Essa lacuna é decisiva porque é como a ausência de uma enzima que lhes permitiria digerir aquilo que é comida habitual e robustecedora para os outros estômagos. Há racismo? Sem dúvida. E homofobia? Claro que sim. Mas também há formas de dizer "negro" ou "preto" ou "maricas" sem ser para humilhar ou ofender e num registo de brincadeira ou de descrição ou evocação de época. Mas os cultores do politicamente correto não têm os sensores para discernir estas nuances. Não conseguem separar as águas. A sua reação a certas palavras ou frases é tão rígida, tão escandalizada, que ficam pela superficialidade da forma e não chegam ao que está subjacente, ou seja, ao conteúdo e, sobretudo, à intenção com que as coisas são ditas ou escritas. Como não têm as tais enzimas para digerir as palavras mais picantes, acham tudo indigesto, e, portanto, querem condenar e banir tudo por atacado. Em consequência, cercam a sociedade (o tal "ambiente cultural" de que RAP nos fala) de uma série de normas e interditos que são autênticas vedações de arame farpado: tem de se dizer assim; não pode dizer-se assado; etc. Para além disso, são apologistas da censura e da punição. Vejam como Isabel Moreira, por exemplo, decretou de imediato, em artigo no Expresso, que RAP era de direita, pois defendia que a liberdade de expressão era um valor supremo. Vejam como o expulsou da área política da esquerda, de que ela, certamente, se acha sacerdotisa e guardiã. Eu percebo o nervoso indignado da deputada. É que os piores inimigos de todos os fanáticos zeladores da linguagem são os humoristas, não apenas porque contornam as proibições que lhes metem à frente mas também porque, ao caricaturarem, acabam por desmontar facilmente a palermice e o exagero de muitos mandamentos do politicamente correto.

Lembram-se de Jorge de Burgos, uma das personagens do livro (ou do filme) O Nome da Rosa? Refiro-me ao velho monge cego que controlava a biblioteca, proibindo o acesso a certas obras e o uso de determinadas palavras, nomeadamente das que faziam rir, pois, dizia ele, os santos não riam, o riso era coisa do demónio. É quase certo que se vivesse no nosso tempo o venerável Jorge seria um cultor e um dos mais férreos defensores do politicamente correto.

Historiador e romancista

Exclusivos