Porque é que o conflito entre sunitas e xiitas é central na Síria?

A rivalidade entre sunitas e xiitas é um elemento fundamental no conflito na Síria. E tem-se manifestado também numa luta pela hegemonia na região entre dois Estados-chave: Arábia Saudita e Irão.

A disputa por influência no Médio Oriente entre sunitas e xiitas está no centro do conflito na Síria, bem como em países como o Iraque, Bahrein e Iémen. Não se trata apenas de divergências religiosas, mas a fratura religiosa entre sunismo e xiismo politizou a religião e exacerbou o sectarismo. As duas facetas são incompatíveis à luz do islão. As potências regionais que representam cada uma destas correntes confessionais são o Irão e a Arábia Saudita.

O Irão tem sido considerado um país desestabilizador da região desde a revolução islâmica em 1979, que transformou o Irão numa teocracia xiita. Diferentemente, a Arábia Saudita, com o seu regime sunita wahhabista, ortodoxo e ultraconservador, tem beneficiado de apoios do Ocidente. A relação entre ambos tem sido sempre tensa e a possibilidade de conflito direto, ou através de "guerras por procuração", tem estado sempre presente. Após o 11 de Setembro, as intervenções por parte dos EUA e seus aliados, particularmente no Iraque, foram desestabilizadoras para a região. Desde então, tanto um como outro têm procurado aumentar a sua influência na região. O Iraque, maioritariamente xiita mas anteriormente dirigido por um sunita, Saddam Hussein, mantém boas relações com o Irão desde 2005. O Irão tem acusado a Arábia Saudita de apoiar a criação da Al-Qaeda e do Daesh, que, sendo ambos sunitas e ferozmente antixiita, são uma ameaça para o Irão. As Primaveras Árabes foram também fonte de tensão. O Irão considerou que se tratava de uma oportunidade para aumentar a influência xiita e a Arábia Saudita considerou-as uma ameaça ao seu regime.

A revolta contra Bashar al-Assad na Síria e o crescimento do Daesh ajudaram a que esta região se tornasse um dos principais palcos das rivalidades entre os dois países. O Irão é um aliado de longa data do regime sírio, tal como a Rússia. Para a Arábia Saudita, sendo a Síria um país de população maioritariamente sunita, deveria ter um governo sunita. Assim, sendo Assad um xiita da seita alauita, deve partir. Existe também uma forte concorrência entre dois oleodutos para a Europa, que se cruzariam precisamente na Síria, partindo do Qatar e do Irão, e que passariam por países sunitas e xiitas, respetivamente. Por isso, ignorar o conflito entre sunitas e xiitas nunca contribuirá para a paz na região.

Professor universitário

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.