Tropas paraquedistas. 25 anos no Exército

Miguel Machado é tenente-coronel paraquedista na reforma, que serviu na Força Aérea entre 1980 e 1993 e no Exército de 1994 a 2005.

A prestação em combate dos 1.º e 2.º batalhões de infantaria paraquedista na República Centro Africana (2018-2019) honrou a memória dos Caçadores Paraquedistas do Ultramar (1961-1975). A instrução ministrada em Tancos, dura mas humana, a motivação dos homens e mulheres que "saltam de aeronaves em voo", já tinham provado em outras missões de paz, da Bósnia ao Afeganistão ou ao Mali, do Kosovo e Iraque a Timor, que a mudança de ramo não significou incapacidade para cumprir.

Será isto suficiente para dizer que foi uma aposta ganha? Pensamos que vale a pena olhar para além destes resultados, ver o que está na sua base e o que se deve melhorar.

O homem e a sua força anímica são o principal recurso de uma organização, frase estafada mas verdadeira. Os paraquedistas têm conseguido manter a mística que criaram na Força Aérea e, mesmo hoje, aqueles que nunca nela serviram respeitam e seguem essa maneira de estar e de servir o país. Quem passe pelo Regimento de Paraquedistas e veja um curso de paraquedismo, e a instrução de combate nas unidades operacionais de Tomar ou São Jacinto, constata esta realidade. Mas falando com as pessoas, sente-se que se pode melhorar. O Exército devia aproveitar esse estado de espírito, acolhendo a iniciativa e permanente disponibilidade típica dos paraquedistas, e nem sempre o faz.

Desde 1994 oficiais, sargentos e praças moldados no Corpo de Tropas Paraquedistas (CTP) da Força Aérea, transmitiram ano após ano, aos que chegavam, não só o que está nos manuais como aquilo que haviam aprendido com os veteranos das campanhas de África. A partir de 1996 com as missões expedicionárias um enorme manancial de conhecimento e experiência foi acrescentado quer aos veteranos quer aos que agora se juntavam a esta elite.

O CTP foi uma das melhores organizações que as Forças Armadas Portuguesas conheceram. Dimensionado para a realidade nacional, instrução dura, completa e humanizada, com permanente disponibilidade para a inovação desde os baixos escalões. Criou uma mentalidade que lutava contra o "nivelar por baixo". Este manancial humano (*) vindo do CTP e os novos paraquedistas forjados já nas missões de paz, mantiveram no Exército uma identidade própria, muito marcada pelos exemplos da história.

Não se pode generalizar, conheci no Exército, do general ao soldado, quem detestasse os paraquedistas como conheci quem os compreendesse e mesmo acarinhasse!

No novo ramo perdeu-se autonomia - decisões tomadas por um tenente-coronel no CTP são hoje tomadas ao nível tenente-general num comando superior do Exército - e a inovação que caracteriza os 'páras' é de lenta implementação.

Em 2006, com a chamada "Transformação" do Exército, os paraquedistas deixaram de ter um comando autónomo, e hoje tendem a receber muitas interferências desnecessárias. Atualmente não há um único oficial general oriundo dos paraquedistas no comando superior do Exército, nem na Brigada a que pertencem, nem sequer em órgãos diretamente ligados a esta grande unidade. Quem conhece o funcionamento do Exército sabe bem o que isto significa.

Há graves problemas internos, transversais à organização militar em Portugal, como a falta de efetivos e de recursos financeiros, mas também há coisas que melhoraram para os paraquedistas no novo ramo nestes 25 anos: as unidades antes desfalcadas de oficiais do quadro permanente têm hoje um melhor enquadramento; as missões exteriores, inexistentes nos anos do CTP, motivam o pessoal e sobretudo deram-lhes competências que só as operações reais conferem. As competências aeroterrestres, muito assentes na classe de sargentos, mantêm elevados padrões.

Os páras provaram agora na RCA, mais uma vez para quem tivesse dúvidas, que mesmo com limitações em armamento e outros materiais cumprem as missões atribuídas com inigualável profissionalismo.

Os novos boinas verdes, já nascidos no Exército, continuam a obra dos seus antecessores e em condições não raras vezes mais difíceis, disso não tenho dúvidas!

(*) O Comando das Tropas Aerotransportadas foi criado em 1994 com 1.815 oficiais, sargentos e praças paraquedistas transferidos da Força Aérea e 134 oficiais, sargentos e praças do Exército - 68 dos quais com o curso de comandos - que fizeram ainda em 1993 o curso de paraquedismo para integrar este nova unidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.