O insustentável peso do gás

Da falta de concorrência no setor do gás engarrafado e das diferenças entre o país do gás de botija e o do gás natural à questão do gás do fundo de botija, a problemática do gás engarrafado em Portugal não é, atualmente, uma questão leve. É um tema de peso para repensar um setor.

Temos assistido a um acentuar de algumas diferenças relevantes que marcam e definem o setor do gás em Portugal. Desde 2013 que a DECO PROTESTE alerta para a diferença gritante entre o preço do gás engarrafado e o do gás natural: o preço médio de uma botija de gás butano chega a custar o dobro da mesma quantidade em gás natural. A esta diferença, soma-se o tratamento diferenciador que o legislador continua a aplicar ao gás engarrafado em relação ao gás natural. Num país em que dois em cada três lares recorrem ao gás engarrafado - muitas vezes, por não existir alternativa viável - não é explicável que 2,6 milhões de lares portugueses paguem mais 119 euros por ano do que os consumidores de gás natural. Dado que as duas energias servem o mesmo propósito e que esta diferença não é nova, não se justifica este tratamento diferenciado.

Temos também chamado a atenção para a diferença entre o preço de referência e o preço de venda ao público do gás de botija. Nos últimos 15 anos, o preço de venda do gás engarrafado, em particular do butano, duplicou. Por outro lado, o preço de referência do gás tem vindo a baixar, o que não explica a diferença cada vez maior entre preço de venda e preço de referência no gás de botija. Temos pedido, aqui, uma fiscalização mais apertada por parte do Estado e uma promoção da transparência no setor - que não é ajudada pela baixíssima concorrência nos preços do gás deste tipo. Mais uma vez, com preços muito semelhantes do lado da oferta, o consumidor sai prejudicado.

Vamos à terceira grande diferença: em 2014, lançámos a plataforma www.poupenabotija.pt, para ganharmos uma visão ampla das diferenças do custo do gás engarrafado em Portugal - e divulgá-las. Descobrimos, aqui, mais uma clara diferença. O gás butano continua a ser mais caro no Sul do país, com o pódio a ser ocupado por Beja, Faro e Setúbal.

É um número suficiente de discrepâncias para que o setor do gás engarrafado mereça um olhar mais atento e cuidado.

Um passo importante foi o decreto-lei publicado em fevereiro que obriga a comercialização de garrafas de gás nos postos de combustível, possibilitando, ainda, que os consumidores as troquem em qualquer posto de venda, independentemente de ser da mesma marca ou não. É um claro marco numa tentativa de aumentar a concorrência, de fazer com que a estranha harmonização regional dos preços desapareça e de atenuar também as diferenças notórias de preços entre Portugal e outros países europeus.

Apesar do avanço com este decreto-lei um aspeto importante ficou de fora. Manteve-se o regime fiscal de IVA para os restantes serviços públicos essenciais - incluindo o gás de botija - ao evitar-se a redução justa desta taxa de 23 para 6 por cento. Não parece coerente que, ao mesmo tempo que se reconhece a essencialidade do gás engarrafado para suprir as mesmas necessidades básicas do que o gás natural, não se aproxime a legislação que o enquadra à dos restantes serviços públicos essenciais e não se faça uma redução justa da taxa de IVA aplicada e estes serviços para 6%

De fora ficou também a medida para reembolsar os consumidores pelo gás que fica no fundo das botijas - apesar de já ter sido discutida pelo atual Governo e ter também sido pensada pelo do anterior. Depois de um estudo que concluímos em 2014, percebemos que uma botija de gás butano nunca é gasta até ao fim, o que tem por consequência direta o pagamento pelo consumidor de gás que não consegue consumir. Numa botija de gás butano, existem cerca de 300 gramas de gás que são devolvidos à marca, quantidade que dispara se a botija for usada num esquentador: em média, ronda os 3 quilos de gás não usado. No caso de o gás ser reaproveitado pelas marcas que o vendem, isto traduz-se num ganho anual para as empresas fornecedoras que pode rondas os 16 milhões de euros.

É necessária uma ação rápida, eficaz e sem levezas para evitarmos que se continue a prejudicar os consumidores. É urgente promover a transparência e a concorrência no setor e procurar novas soluções que equilibrarem o mercado e que esbatam as diferenças entre os consumidores de gás natural e de gás engarrafado. É, nestes novos horizontes, que deve assumir-se e respeitar o peso que o setor do gás engarrafado tem em Portugal.

Responsável pelas Relações Institucionais da DECO PROTESTE

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."