O alojamento legislativo

A actividade turística tem sido o motor da recuperação económica a que Portugal vem assistindo nos últimos anos. As cidades tornaram-se vibrantes, com pessoas dos quatro cantos do mundo a convergirem para o nosso país, atraídas por um clima ameno, uma história inigualável e uma oferta de serviços de qualidade superior e a preços competitivos. É uma verdadeira Babel de dialectos, raças e credos, projectando internacionalmente o país e trazendo dividendos (sobretudo financeiros) inestimáveis.

Obviamente que toda esta efervescência tem um reverso da medalha. O espaço urbano não estava preparado para, subitamente, acomodar milhares de visitantes. Começaram então a surgir dinâmicas quase imparáveis, como a multiplicação de alojamentos locais, cada vez mais apartamentos alocados à actividade turística, o que conduziu a uma subida generalizada dos preços, em especial nos grandes centros urbanos, e a algumas situações menos claras, mesmo de tensão, entre inquilinos e proprietários. Como já escrevi, são as dores de crescimento do mercado que, inevitavelmente, entrará numa trajectória de correcção.

Uma das tentações é legislar furiosamente em cima destas questões, a maior parte das vezes fruto de pressões externas, descartando-se uma reflexão séria e pausada sobre tais matérias. O alojamento local está, há muito, na mira dos protestos contra o que chamam a ocupação das cidades. Curiosa posição esta, já que uma cidade desocupada (e havia tanto para dizer sobre isto, em especial nos últimos 25 anos...) é um contrassenso. Mas adiante. Os protestos subiram de tom, não havia casas para alugar, os inquilinos foram despejados e agora é tudo alojamento local, tudo guest house ou tudo hostel. O que se fez? Legislou-se. A meio do jogo.

Há claramente exageros na forma como as cidades e o edificado foram evoluindo em termos de utilização. Era de facto necessária legislação nesta área, não só para acautelar a proliferação desregrada deste tipo de espaços, mas também para promover o crescimento harmonioso do espaço urbano. A nova lei que regulamenta o alojamento local prevê áreas de contenção, limita o número de espaços que um mesmo proprietário pode explorar e reforça a fiscalização, agora pela ASAE. Torna obrigatório o que devia ser básico, como o seguro multirriscos ou o livro de informações e reforça os poderes dos condomínios na aceitação, ou não, de novos espaços de alojamento local. A bondade destas propostas é inquestionável. O problema é que elas caem no meio de um problema que existe há longo tempo e que, quando muito, serão um mero paliativo para responder à raiz do problema.

Há um vasto conjunto de legislação pré-existente que conflitua com aquilo que agora se quer fazer. O sector imobiliário, por exemplo, pouco ou nada foi consultado aquando da elaboração do diploma. A verdade é que os estilhaços desta legislação não se manifestam apenas junto daqueles que estão a pensar entrar no negócio do alojamento local. Podem reflectir-se no volume de negócios do sector, com consequências no emprego, vão reflectir-se na requalificação urbana que vem sendo empreendida nas cidades e, por último, mas talvez mais importante, reflectir-se-á no turismo, essa galinha dos ovos de ouro de Portugal que muita gente está desejosa de ver no espeto.

CEO KW Business

Escreve de acordo com a antiga ortografia

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.