Estudantes estrangeiros em Portugal: atrair é preciso, reter não é possível

Há dias li um artigo de opinião que dizia estar em curso "uma forte competição a nível mundial pela atração e a retenção do conhecimento e do talento universitário" e que, nesse sentido, Portugal teria "condições para ficar relativamente bem posicionado nesta competição". Lamento ter de discordar, mas se Portugal tem conseguido algum sucesso na internacionalização do ensino superior - no que diz respeito a atração de estudantes e investigadores estrangeiros, o mesmo não tem acontecido com a retenção dos mesmos no país.

Para entender o que tem levado à internacionalização do ensino superior português devemos ter em atenção que, em primeiro lugar, como país membro da União Europeia (UE) e signatário do Processo de Bolonha, Portugal foi "obrigado" a abrir as suas portas, sobretudo para os alunos pertencentes aos países da UE. Neste caso, através de programas como o Erasmus, atraiu-se muitos estudantes para as chamadas "mobilidades de crédito" sabendo-se, à partida, que estes seriam "obrigados" a retornar para a casa para concluírem os estudos. Em segundo lugar, com a crise económica que se abateu sobre Portugal a partir de 2008, e que levou a que muitos jovens portugueses emigrassem ou não tivessem condições de continuar a custear os estudos, começaram a sobrar vagas nas instituições de ensino superior, e estas, para não perderem estudantes e investigadores, viram-se, uma vez mais, "obrigadas" a abrir as portas para os estudantes estrangeiros. Portanto, o que levou à internacionalização do ensino superior português relaciona-se mais com questões de ordem política e económica do que com a real intenção de "atrair os melhores alunos do mundo" ou de estas instituições se tornarem "um polo de conhecimento reconhecido mundialmente".

Com o início do ano letivo, muitas notícias voltaram a dar conta da crise que o setor da educação em Portugal vem atravessando nos últimos tempos: enquanto uma universidade pública explicitou a necessidade de se priorizar os gastos com a contratação de professores, e não de investigadores, um jornal português divulgou que, no ensino privado, o número de licenciados caiu 41% nos últimos dez anos. Isto, por um lado, veio reforçar a ideia de que Portugal precisa de estudantes de outros países para fortalecer economicamente as suas instituições; mas, por outro lado, de que neste momento os investigadores, nacionais ou estrangeiros, têm menos condições de aqui encontrarem uma colocação profissional.

Contudo, apesar de Portugal continuar a receber um contingente expressivo de estudantes estrangeiros oriundos da UE, é importante clarificar que a maioria não vem desses países, mas sim da Comunidade dos Países de Língua Oficial Portuguesa (CPLP), e em mobilidade de grau (curso completo), e não de crédito. Só o Brasil (caso que eu estudo) representa desde 2008 a maior comunidade de estudantes estrangeiros no ensino superior português. Obviamente a partilha do mesmo idioma tem sido o grande atrativo para estes estudantes que, na sua maioria, não dominam outra língua. Mas se, na época da recente pujança económica pela qual o Brasil passou, muitos destes estudantes vieram com recursos próprios ou financiados pelo governo brasileiro, e priorizaram o retorno, será que diante da atual crise política e económica que, uma vez mais se instalou naquele país, estes estudantes poderão continuar a ser percecionados como "moeda" em Portugal, e quererão regressar a casa após concluírem os estudos? E se quiserem permanecer, será que Portugal tem condições para reter o capital humano que aqui se formou? Infelizmente a realidade portuguesa, exemplificada acima com o caso dos investigadores, é a de que, se este país não tem conseguido colocação profissional para os seus, o que dirá para os estrangeiros.

Por isso, quando leio que Portugal "pode ficar bem posicionado numa competição, ao nível mundial, pela atração e a retenção do conhecimento e do talento universitário", tenho que contrapor, "pela atração de universitários, talvez, mas pela retenção dos mesmos ainda não".

Jornalista, doutoranda em migrações pelo IGOT, Universidade de Lisboa

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

Navegantes da fé

Este livro de D. Ximenes Belo intitulado Missionários Transmontanos em Timor-Leste aparece numa época que me tem parecido de outono ocidental, com decadência das estruturas legais organizadas para tornar efetiva a governança do globalismo em face da ocidentalização do globo que os portugueses iniciaram, abrindo a época que os historiadores chamaram de Descobertas e em que os chamados navegantes da fé legaram o imperativo do "mundo único", isto é, sem guerras, e da "terra casa comum dos homens", hoje com expressão na ONU.