Dói-dói no mindinho

"Difícil encontrar forças para querer voltar a jogar futebol." Quem terá dito isto? Um sobrevivente do trágico acidente da Chapecoense? Uma das crianças salvas da gruta na Tailândia? Não. Neymar, depois de o Brasil ter sido eliminado do Mundial. Dramático, não é? Não espanta, vindo de quem "homenageou" Stephen Hawking, aquando da sua morte, partilhando uma foto sentado numa cadeira de rodas, com a frase "você tem de ter uma atitude positiva e tirar o melhor da situação na qual se encontra". Neymar tinha magoado o dedo do pé, o que, como toda a gente sabe, é mais doloroso do que ter esclerose lateral amiotrófica. Só quem nunca deu uma topada, descalço, num móvel, pode negá-lo. O que tem faltado a Neymar? Talvez um Didier Deschamps que lhe diga, como disse a Mbappé, "para de fazer merda!". Um conselho tão genérico quanto útil. Se António Oliveira o tivesse dado a João Pinto, se calhar não tinha havido murro no árbitro e Portugal ganhava aquele Mundial, não precisando de ainda andar a tentar, 16 anos depois. Sim, que estas coisas são para fazer uma vez na vida. É como escalar o Evereste. Uma pessoa consegue, sente-se feliz, espeta a bandeira no topo e está feito. Não vai repetir no ano seguinte. A não ser que estejamos a falar do João Garcia, claro. Um homem a sério: mesmo que caia o nariz, prossegue, não é nenhum Neymar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...