Croácia de A a ic

Vamos torcer pela Croácia, certo? Mas há que fazê-lo com propriedade. Temos de conhecer melhor os "nossos" jogadores. Subasic - igualou o feito de Ricardo, defendendo três penáltis num jogo. Esperemos que não siga o exemplo do português a sair dos postes! Perisic - no último jogo marcou um golo estilo karaté, na segunda maior elevação de perna já registada em jogos contra Inglaterra. A primeira foi a de Bruno Alves. Só que esse foi expulso. Não se percebe! Rakitic - quando jogava em Sevilha falhou um penálti e recebeu SMS da sogra, com foto do cão, dizendo que até ele marcava melhor. Esperemos que esta mental coach continue a motivar o médio, que já marcou dois penáltis decisivos. Mandzukic - não precisou de nenhuma Susana Torres para marcar golo aos 109, o minuto mágico do Euro 2016. "Isto não é normal, é um milagre", disse ele. Não acho nada de mais um jogador da Juventus atingir tamanho feito. O golo de Eder sim, foi uma dádiva dos deuses. Modric - prometeu que, se ganhar o Mundial, pinta o cabelo. Talvez cortar fosse mais sensato. Vida - não deve ser fácil integrar-se nesta equipa sem terminar em "ic". Resta-lhe ser amigo de Corluka, em tempos conhecido como bon vivant pouco aplicado. Uma espécie de Pablo Osvaldo mas sem guitarra. Consta que, ao mudar-se para a Rússia, atinou. Nada como o frio siberiano para nos tornarmos caseiros. Agora só falta mandar França para casa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...