Como é, para um imigrante, passar o Natal fora do seu país?

Um dia destes estava no salão de uma indiana, arranjando as unhas com uma ucraniana, e eu, a cliente brasileira, comentei:"a gente descobre que virou portuguesa quando começa a achar estranho passar o Natal com uma temperatura de 40 graus, como normalmente é no Brasil", pelo que fui contemplada com duas deliciosas observações: enquanto a proprietária do salão explicou que, nesta época do ano, na região da Índia da qual descende faz frio, "mas nada que se compare ao frio de Portugal"; a ucraniana contrapôs, "para mim, o estranho é passar o Natal sem neve!"

Este episódio fez-me pensar em como nós, imigrantes, podemos viver momentos como o Natal, de maneiras tão diferentes, e em como as comparações com o país de origem acabam por ser inevitáveis.

Todas as nossas impressões e estranhamentos dependem dos nossos referenciais, e, no caso de uma festa cristã como o Natal, das nossas crenças religiosas também. Mas independentemente destas crenças (assunto que não pretendo abordar neste artigo), o facto é que durante este período temos a tendência de olhar para os hábitos e costumes que precedem esta festa de uma maneira muito mais crítica. Comparamos o clima, a gastronomia, as decorações, as roupas, as confraternizações, enfim... E nestas comparações, enquanto o alento de alguns está em tentar manter os laços com a cultura de origem (daí reunirem--se com pessoas da mesma nacionalidade e procurarem manter os hábitos que tinham na terra natal), para outros, a maneira menos dolorosa de viver esta época é tentar esquecer a cultura de origem, imergir no diferente, e abrir-se para conhecer cada vez mais a cultura de acolhimento. Deste modo, enquanto os primeiros correm o risco de fecharem-se sobre a sua própria cultura, para os segundos, a cultura do outro, que no início era "estranha", pode tornar-se "normal", e a sua, antes considerada a "normal", pode tornar-se a "estranha".

Mas o facto de começarmos a estranhar algumas coisas do país de origem, e não mais nos surpreendermos com outras no país de destino, não significa que estamos perdendo os nossos referenciais, mas que, ao conhecermos novas perspetivas, passamos a ter mais parâmetros de comparação para escolhermos quais são as que nos agradam mais. Por isso não, eu não virei portuguesa só porque comecei a estranhar o calor durante o Natal no Brasil, no entanto, após vivenciar um Natal com frio em Portugal, elegi este clima para esta época do ano.

Tenho, entretanto, consciência de que para muitos imigrantes (entre os quais os brasileiros) o clima frio pode sim mexer com o humor, e ser responsável por uma "sensação de tristeza". Do mesmo modo, para aqueles que durante toda a vida viram a neve cair no Natal, o triste pode ser, justamente, não nevar nesta data.

Além disso, sei que devemos diferenciar aqueles que passam o Natal em Portugal por opção, daqueles que não têm outra opção, senão passar o Natal em Portugal. Enquanto para os primeiros pode tratar-se de uma "nova experiência", e despertar-lhes "um misto de euforia e saudades"; para os segundos, tal experiência pode ser traumática. Sendo o Natal conotado como uma "festa em família", o sofrimento pode estar, simplesmente, em não se ter a opção de passar com ela. Assim, torna-se muito mais difícil ver a beleza desta festa em qualquer parte do mundo, quando o mais importante não é a festa em si, mas sim a família que não conseguimos ter por perto.

Portanto, a maneira com que cada imigrante vive esta época do ano pode sofrer a influência do clima, das relações familiares, mas depende, sobretudo, da disponibilidade que cada um tem para viver o novo, conhecer outra cultura, e abrir mão de algumas relações, hábitos e costumes. Não, não é fácil, mas sim, é possível! Mesmo no frio (ou ainda que sem calor, praia, férias, família e amigos), mesmo com bacalhau e bolo-rei (ou ainda que sem tender ou panetone) devemos nos esforçar para fazer desse dia um dia feliz. Por isso, façam o favor de terem um Feliz Natal!

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.