Como é, para um imigrante, passar o Natal fora do seu país?

Um dia destes estava no salão de uma indiana, arranjando as unhas com uma ucraniana, e eu, a cliente brasileira, comentei:"a gente descobre que virou portuguesa quando começa a achar estranho passar o Natal com uma temperatura de 40 graus, como normalmente é no Brasil", pelo que fui contemplada com duas deliciosas observações: enquanto a proprietária do salão explicou que, nesta época do ano, na região da Índia da qual descende faz frio, "mas nada que se compare ao frio de Portugal"; a ucraniana contrapôs, "para mim, o estranho é passar o Natal sem neve!"

Este episódio fez-me pensar em como nós, imigrantes, podemos viver momentos como o Natal, de maneiras tão diferentes, e em como as comparações com o país de origem acabam por ser inevitáveis.

Todas as nossas impressões e estranhamentos dependem dos nossos referenciais, e, no caso de uma festa cristã como o Natal, das nossas crenças religiosas também. Mas independentemente destas crenças (assunto que não pretendo abordar neste artigo), o facto é que durante este período temos a tendência de olhar para os hábitos e costumes que precedem esta festa de uma maneira muito mais crítica. Comparamos o clima, a gastronomia, as decorações, as roupas, as confraternizações, enfim... E nestas comparações, enquanto o alento de alguns está em tentar manter os laços com a cultura de origem (daí reunirem--se com pessoas da mesma nacionalidade e procurarem manter os hábitos que tinham na terra natal), para outros, a maneira menos dolorosa de viver esta época é tentar esquecer a cultura de origem, imergir no diferente, e abrir-se para conhecer cada vez mais a cultura de acolhimento. Deste modo, enquanto os primeiros correm o risco de fecharem-se sobre a sua própria cultura, para os segundos, a cultura do outro, que no início era "estranha", pode tornar-se "normal", e a sua, antes considerada a "normal", pode tornar-se a "estranha".

Mas o facto de começarmos a estranhar algumas coisas do país de origem, e não mais nos surpreendermos com outras no país de destino, não significa que estamos perdendo os nossos referenciais, mas que, ao conhecermos novas perspetivas, passamos a ter mais parâmetros de comparação para escolhermos quais são as que nos agradam mais. Por isso não, eu não virei portuguesa só porque comecei a estranhar o calor durante o Natal no Brasil, no entanto, após vivenciar um Natal com frio em Portugal, elegi este clima para esta época do ano.

Tenho, entretanto, consciência de que para muitos imigrantes (entre os quais os brasileiros) o clima frio pode sim mexer com o humor, e ser responsável por uma "sensação de tristeza". Do mesmo modo, para aqueles que durante toda a vida viram a neve cair no Natal, o triste pode ser, justamente, não nevar nesta data.

Além disso, sei que devemos diferenciar aqueles que passam o Natal em Portugal por opção, daqueles que não têm outra opção, senão passar o Natal em Portugal. Enquanto para os primeiros pode tratar-se de uma "nova experiência", e despertar-lhes "um misto de euforia e saudades"; para os segundos, tal experiência pode ser traumática. Sendo o Natal conotado como uma "festa em família", o sofrimento pode estar, simplesmente, em não se ter a opção de passar com ela. Assim, torna-se muito mais difícil ver a beleza desta festa em qualquer parte do mundo, quando o mais importante não é a festa em si, mas sim a família que não conseguimos ter por perto.

Portanto, a maneira com que cada imigrante vive esta época do ano pode sofrer a influência do clima, das relações familiares, mas depende, sobretudo, da disponibilidade que cada um tem para viver o novo, conhecer outra cultura, e abrir mão de algumas relações, hábitos e costumes. Não, não é fácil, mas sim, é possível! Mesmo no frio (ou ainda que sem calor, praia, férias, família e amigos), mesmo com bacalhau e bolo-rei (ou ainda que sem tender ou panetone) devemos nos esforçar para fazer desse dia um dia feliz. Por isso, façam o favor de terem um Feliz Natal!

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.