Celebrando o Dia Mundial do Dador de Sangue

Hoje, 14 de junho, assinala-se, sob os auspícios da Organização Mundial da Saúde, o Dia Mundial do Dador de Sangue.

É uma forma de a OMS lembrar a dádiva de sangue, valorizando-a e agradecendo aos dadores voluntários e benévolos a sua insubstituível atitude de cidadania. É preocupação chamar a atenção para a necessidade de os cidadãos, enquadrados na consciencialização coletiva da vital importância deste gesto, darem sangue regularmente para assegurar as necessidades em sangue e seus componentes, mas também a sua qualidade e segurança.

Neste ano, a campanha de divulgação em torno da dádiva de sangue dá enfoque a esta magnificente atitude de solidariedade, pelo incomensurável valor altruísta que representa a dádiva voluntária e não remunerada.

Por isso, o alerta que a OMS lança: "Esteja disponível para quem precisa. Dê sangue. Partilhe vida!".

Em Portugal, a motivação para dar sangue está bem enraizada na nossa população. Em particular, o movimento associativo em torno da dádiva tem um papel mobilizador de relevo, de norte a sul do país.

Contudo, importa investir na promoção e na divulgação da dádiva de sangue junto dos mais jovens, de forma assertiva, para podermos assegurar no futuro os adequados níveis das nossas reservas, tendo em vista a nossa autossuficiência em sangue, face ao envelhecimento populacional registado.

Os objetivos da campanha da OMS em 2018 são multifacetados: agradecer aos dadores de sangue e encorajar quem nunca fez a sua dádiva a fazê-lo desde já; alargar a consciencialização dos benefícios da dádiva benévola e altruísta, sendo necessário manter dadores regulares para mantermos as adequadas reservas de sangue. Esta é uma forma de, enquanto cidadãos, darmos o nosso contributo para os serviços públicos de saúde, leia-se SNS, com elevado espírito de solidariedade e cidadania, animados por sentimentos de altruísmo e participação coletiva.

Em Portugal, estes objetivos preconizados pela OMS estão felizmente acautelados e são alcançados com a dádiva voluntária, benévola e altruísta. Alcançámos um equilíbrio entre as colheitas de sangue e o seu consumo, através da redução sustentada da colheita de sangue face à diminuição da sua utilização clínica, perante os novos paradigmas na gestão do sangue dos doentes e na prática transfusional.

No nosso país em 2017 fizeram--se 32,40 dádivas por mil habitantes, o que coloca Portugal acima da média dos países de renda elevada, e foram administrados 30,03 concentrados de eritrócitos por mil habitantes, o que evidencia a autossuficiência do país.

O Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST), contando com o trabalho dedicado das associações de dadores, continua a cumprir a sua missão, garantindo a estabilidade das reservas nacionais, com o contributo também dos hospitais e o empenho dos profissionais.

Mas, além da nossa autossuficiência em sangue e seus componentes, é também fundamental manter e consolidar a vigilância da qualidade e da segurança do sangue. Esta é uma preocupação maior do IPST, garantindo-se assim elevados padrões de qualidade das transfusões.

Presidente do Instituto Português do Sangue e da Transplantação

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.