A anca de Umtiti

10 de Julho. Um grande jogo de futebol, em que um país com pouco mais de 10 milhões de habitantes tenta contrariar o poderio francês. Emoção, suspense, explosão de felicidade. Isto em 2016, claro. Em 2018 foi mais chato, nem as traças apareceram. Já no mercado animação não faltou. Bruno Fernandes foi apresentado como grande novidade do SCP (fazendo lembrar aqueles casais que se divorciam e depois casam outra vez, chateando todos os convidados que têm de dar nova prenda), o Real fez uma atençãozinha nos 1000 milhões da cláusula de CR7 e Podence percebeu que na Grécia há presidentes que entram armados em campo. Por um lado deve ter ficado arrependido, por outro, aliviado por Bruno de Carvalho não ter licença de porte de arma. Voltando ao jogo, estava a torcer pela Bélgica, claro. Como estaria por qualquer equipa que defrontasse os bleus. Bom, talvez um França-Benfica me deixasse dividida. Embirro com os gauleses, admito. E acredito que quem não embirrava, passou a fazê-lo depois de ver a comemoração de golo do Umtiti. Que foi aquilo? Parecia ter uma luxação da anca. Devia dar anulação do golo, depois do VAR analisar a dança. Com tanto virtuoso em campo foi preciso um central para resolver. Tal como aconteceu no 1º particular do Benfica, com bis de Jardel. Por acaso não vi mas estava a torcer pelo Napredak, claro. Sou desses desde pequenina.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...