Estabilidade para avançar

Portugal e Espanha demonstraram nos últimos anos do que são capazes: de sair de uma crise profunda com grandes sacrifícios. Estes esforços são amplamente reconhecidos por todos os países do norte da Europa. Espanha e Portugal demonstraram uma seriedade não alcançável por outros países da área mediterrânea.

Incentivo o governo socialista de António Costa a continuar na direção do anterior Governo de Pedro Passos Coelho, que, agora como líder da oposição, demonstra um elevado sentido de Estado e de responsabilidade. Apelo também ao próximo Governo Espanhol a avançar por este caminho: o do crescimento, da confiança e da estabilidade. De outra maneira, corremos um sério risco de retrocesso, perdendo-se, assim, o já alcançado com grande esforço pelos nossos cidadãos. Os nossos países geram agora confiança, mas os mercados são inflexíveis e não perdoam se dermos um passo atrás.

Os investidores pedem estabilidade política e económica.

Os sacrifícios e o esforço feito pelo povo espanhol e português para ultrapassar as dificuldades e contribuir para que os nossos países saíssem da crise não podem ter sido em vão. O retrocesso seria imperdoável e injusto para os nossos cidadãos. Não podemos pôr em perigo tudo o que alcançamos. Precisamos de seguir em frente.

A economia social de mercado, em que acreditamos, e pela qual trabalhamos, é a que gera riqueza e cria emprego. Uma economia em que a palavra social não é apenas marketing. É uma economia ao serviço da sociedade, que impede resgates como aconteceu em Espanha ou que os assume com grande responsabilidade como em Portugal, evitando dramas sociais de proporções maiores. Uma verdadeira e plena implementação da economia social de mercado não acontece de um dia par o outro. Temos de continuar na senda das reformas.

E para isso precisamos de governos estáveis, quer em Espanha quer em Portugal. Tanto aqui como no meu país, sabemos que não ter um governo ou ter um governo fraco não é bom, tal gera instabilidade económica e social e afastam o investimento.

Para além disso, estou convencido da importância de promover as nossas, já estreitas, relações bilaterais. Uma maior integração dos mercados português e espanhol, a definição de objetivos comuns e a defesa conjunta dos nossos interesses em Bruxelas, são apenas exemplos de medidas que creio serem essenciais para fortalecer a nossa presença nas instituições europeias e, portanto, junto da União Europeia. É muito mais o que nos une do que o que nos separa.

O Partido Popular Europeu está amplamente orgulhoso do trabalho feito pelo ex-primeiro-ministro Pedro Passos Coelho e pelo seu vice-primeiro-ministro Paulo Portas; por terem conseguido fazer avançar Portugal durante momentos tão difíceis. Ambos, juntamente com a sociedade portuguesa, demonstraram uma grande liderança do centro-direita europeu.

Eurodeputado espanhol e secretário-geral do Partido Popular Europeu

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.