Eleições americanas e política externa

A proximidade das eleições nos Estados Unidos está a tornar-se atualmente um elemento importante na formatação da política de Washington em todo o mundo. Os políticos norte-americanos procuram a negociação rápida de qualquer crise no mundo que possa ser terminada com o anúncio de algum tipo de acordo. O próprio anúncio, aliás, está a tornar-se mais importante do que o seu conteúdo. Isso pode ser compreensível se tivermos em mente a sua potencial influência na classificação de um dos candidatos nas próximas eleições presidenciais em novembro.

São inúmeros os exemplos da atuação de diplomatas norte-americanos no cenário mundial e o mais divulgado é o do Médio Oriente e arredores. No dia 13 de agosto, a Casa Branca anunciou que foi alcançado um acordo entre os Emirados Árabes Unidos e Israel sobre a normalização das relações, com a mediação dos EUA. Este acordo envia um forte sinal a todo o mundo árabe, especialmente o de que os americanos estão dispostos a fazer uma série de concessões se os árabes concordarem em normalizar as suas relações com Israel. Também há vários candidatos para isso. Todos os Estados árabes com o problema específico que pode ser resolvido por Washington considerarão agora se podem "sobreviver" à normalização das relações com Israel, sem resolver o problema palestino. Eles devem ter em mente a sua própria opinião pública e a estabilidade dos seus governos. Os EUA estão obviamente prontos para os abastecer de armas que não estavam na lista potencial de exportação de armas para esses países e garantir a sua segurança. Os EUA estão também dispostos a retirar alguns deles da lista de países terroristas, o que teria um forte impacto político e económico ou, talvez, a reconhecer a sua soberania sobre determinados territórios disputados.

É um momento em que os governos dos países árabes terão de decidir rapidamente: aproveitar esta oportunidade, independentemente do potencial perigo político ou manter-se de lado e exigir a resolução do problema palestino com base na solução dos dois estados, o que parece muito distante. Pragmatismo contra os princípios. É bem sabido que a política real é geralmente mais prática do que baseada em princípios.

Israel, por sua vez, entende muito bem quais são as possibilidades do momento e tudo fará para facilitar as decisões de alguns países árabes. Os incentivos económicos também são bastante fortes e o governo do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu pode encontrar maneiras de melhorar o comércio e os investimentos. A tecnologia israelita também é muito atraente para muitos países, mas os sistemas de armas americanos, muitas vezes desenvolvidos em conjunto com Israel, estão no topo das listas de prioridades.

Claro que Israel continuará a pedir aos EUA que limitem as suas exportações de armas a fim de manter o equipamento militar israelita mais avançado do que as armas de qualquer outro país árabe. Normalmente, há muito espaço livre para controlar e medir isso, mas a política oficial de Israel e dos EUA permanecerá como antes.

Portanto, não resta muito tempo até ao dia das eleições americanas. Se o atual governo permanecer no poder, a atual tendência manter-se-á, mas com muito menos entusiasmo e promessas.

Para alguns países árabes, será muito difícil rejeitar o que está agora em cima da mesa. Eles verão todas as possibilidades e também, tendo em vista a desunião dos palestinos, o que não os está a ajudar a manter o apoio à sua política. A política real está a ganhar, ninguém está muito preocupado com a substância dos acordos e a implementação futura do que foi acordado.

É importante, como já estava escrito neste artigo, anunciar formalmente o acordo e agregar mais um grande sucesso no cenário mundial de uma longa crise. A política interna vence sempre quando confrontada com a externa.

Antigo embaixador da Sérvia e investigador do Centro de Estudos Internacionais do ISCTE

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG