Continua a crescer o número de estudantes americanos que escolhem Portugal como destino

A edição de 2019 do Open Doors Report on International Educational Exchange, relatório anual publicado pelo Institute of International Education (IIE) e o Bureau of Educational and Cultural Affairs do Departamento de Estado norte-americano, revela uma vez mais que o número de norte-americanos que escolhem Portugal quando decidem estudar no estrangeiro continua a aumentar de forma muito significativa. O relatório dá conta de um crescimento de 23,7% em 2017-2018 em relação ao ano anterior, com um total de 857 estudantes americanos a escolher como destino as instituições de ensino superior portuguesas. Portugal assegura assim a décima nona posição no ranking dos vinte países europeus que recebem um maior número de estudantes americanos e o crescimento verificado é, em percentagem, o segundo maior no conjunto de países europeus que recebem mais de 500 estudantes americanos.

A Europa continua a ser a primeira região de destino, atraindo 54,9% do número total de estudantes americanos, número esse que em termos globais cresceu também 2,7% (para um total de 341 751).

Por outro lado, o número total de estudantes internacionais que frequentaram instituições de ensino superior americanas no ano letivo 2018-2019 cresceu também 0,05%, ultrapassando, pelo quarto ano consecutivo, a barreira de um milhão de estudantes internacionais. Foi atingido o recorde de 1 095 299 estudantes internacionais nos EUA, um número que continua a colocar o país no primeiro lugar da lista global de países de destino de estudantes internacionais.

Segundo o mesmo relatório, o número de estudantes portugueses inscritos em instituições de ensino superior norte-americanas aumentou no ano letivo 2018-2019 para 973, o que representa um crescimento de 3,8% em relação ao ano letivo anterior. A distribuição desses estudantes por nível académico revela que mais de metade dos estudantes portugueses (491) estão nos EUA a fazer o bachelors degree, equivalente ao grau de licenciatura..

Prestes a dar início à comemoração de 60 anos de atividade em Portugal, que se assinalam em 2020, a Comissão Fulbright vê com muita satisfação esta evolução positiva, que é o resultado um trabalho de equipa com a Embaixada dos EUA em Portugal, a rede Education USA, as instituições de ensino superior portuguesas e norte-americanas e diversos parceiros institucionais e que têm contribuído para aumentar significativamente o intercâmbio educacional entre Portugal e os EUA.

A oferta crescente de bolsas no âmbito do Programa Fulbright, que em 2019 atingiu o número total de 79 (47 atribuidas a portugueses e 32 a americanos) e os serviços de aconselhamento intensivo disponibilizados pela Fulbright aos estudantes portugueses que se candidatam ao ensino superior nos EUA (Competitive College Club e Pathway to Graduate School) concorreram também de forma decisiva para os bons resultados alcançados.

Excelentes notícias para o relacionamento entre os EUA e Portugal e que acentuam a importância de celebrar o intercâmbio académico e a educação internacional, objectivo da International Education Week 2019 que agora começa!

Diretora executiva da Comissão Fulbright - Comissão para o Intercâmbio Educacional entre os Estados Unidos da América e Portugal

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...