Combustíveis simples e aditivados: é tudo igual ao litro

Há já alguns anos que, na hora de atestar o carro, tem as opções de combustíveis simples ou aditivado. Continua sem estar completamente esclarecido em relação às diferenças entre os dois? Na realidade, não tem importância.

O peso do petróleo e a sua transversalidade aos setores de atividade mantêm um impacto bastante considerável no desenvolvimento da economia portuguesa. Para o orçamento dos consumidores portugueses, esse peso é também significativo, principalmente na hora de atestar o carro. O aumento do preço dos combustíveis nos últimos anos tem mudado a mobilidade em carro próprio, convertendo-a quase num luxo.

As empresas petrolíferas têm apostado em campanhas fortes que promovem o uso dos combustíveis aditivados. Argumentos que posicionam os combustíveis aditivados como tendo um maior rendimento, menor desgaste para o motor ou de um combustível mais verde vão criando respostas às preocupações económicas e ambientais do consumidor e influenciando o seu comportamento na compra de combustível. Será indiferente para o bolso do consumidor o uso de combustível simples ou aditivado?

Em 2012, a DECO PROTESTE lançava uma campanha com o objetivo de deixar esclarecidos os consumidores na hora de atestar o carro. Foram testados quatro combustíveis diferentes em quatro carros iguais. "Igual ao litro" foi o título e a conclusão destes testes: não havia diferenças relevantes entre combustíveis simples e aditivados. No consumo, nas emissões, na acumulação de depósitos, ou no desgaste do núcleo vital do motor não há diferença. Agimos junto do Ministério da Economia para que se lançasse um olhar sobre este setor, para se repensarem práticas e reivindicámos um conjunto de ações para que a mensagem que chega ao consumidor seja o mais clara e explícita possível.

Depois desta campanha da DECO PROTESTE, houve algumas mudanças no panorama desta área em Portugal. Foi criada a Entidade Nacional para o Mercados dos Combustíveis e a indicação dos preços de referência tornou-se obrigatória. Para além disto, o Governo tornou também obrigatória a disponibilização de combustíveis simples em todos os postos de abastecimento em Portugal Continental.

Apesar desta mudança, o mundo dos combustíveis simples e aditivados continua a gerar confusões. As petrolíferas reavivaram os argumentos que diferenciam os combustíveis simples dos aditivados. Anunciam-se novos combustíveis "premium", com novos e melhorados aditivos. A DECO PROTESTE tem lutado por campanhas esclarecedoras em relação aos combustíveis vendidos mas também por medidas legislativas que permitam a aplicação de coimas adequadas e dissuasoras a quem mantenha práticas que influenciem erradamente as expectativas dos consumidores de combustíveis.

Se é tudo igual ao litro, porque se mantêm argumentos que prejudicam o bolso dos consumidores na hora de atestar o carro?

Rita Rodrigues, responsável de Relações Institucionais da DECO PROTESTE

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG