A Índia é um interveniente construtivo e confiável a nível global

Durante a pandemia, não só deu resposta às suas necessidades internas, como também tomou uma série de medidas para o bem global

A covid-19 continua a representar um custo elevado no mundo inteiro. Os casos positivos continuam a crescer, inclusive na Índia. No entanto, a nossa resposta interna e eficaz levou a uma melhoria significativa na nossa taxa de recuperação, presentemente de 68,78%. A taxa de mortalidade de 2,01% continua a ser das mais reduzidas a nível mundial.

Estes resultados - alta recuperação e baixa mortalidade - podem ser atribuídos às medidas proactivas tomadas para lidar com o surto desde a sua fase inicial. Começámos a triagem de casos de covid-19 13 dias antes do primeiro caso ser detectado na Índia. Implementámos o confinamento total no 55º dia do surto, quando tínhamos apenas cerca de 600 casos. A nossa resposta no domínio da saúde pública foi reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). O governo foi célere a aumentar a infra-estrutura de saúde. Como referiu o primeiro-ministro (PM) Narendra Modi, a Índia tem agora mais de 11.000 instalações covid-19, e 1,1 milhões de unidades de isolamento. Aumentámos o número de testes para mais de meio milhão de testes por dia, e irão passar a um milhão.

A resposta da Índia não se limitou a fazer frente às nossas necessidades internas. Temos estado significativamente envolvidos com a comunidade internacional, assegurando a liderança que a situação mundial exigia. Enquanto parte interessada e responsável no que diz respeito às cadeias globais de fornecimento de saúde, garantimos o acesso atempado a medicamentos essenciais e material médico para mais de 150 países, ao mesmo tempo que demos resposta às nossas próprias necessidades domésticas. Reafirmámos a nossa posição enquanto os primeiros a responder às crises humanitárias na região, destacando equipas médicas para ajudar as Maldivas, Maurícia, Comores e o Kuwait a lidar com a pandemia. A Índia também enviou meios navais para as Maldivas, Maurícia, Madagáscar, Comores e Seychelles para prestar assistência, demonstrando assim o nosso forte compromisso para com a visão do PM, de Segurança e Crescimento para Todos na Região (SAGAR).

Passámos de importadores líquidos de material médico relacionado com a covid-19, a exportadores líquidos. Actualmente fabricamos mais de 500.000 kits de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) e mais de 300.000 máscaras N-95 todos os dias. O nosso sistema tem demonstrado a adaptabilidade e agilidade necessárias a aumentar significativamente a produção, ultrapassando as nossas necessidades internas.

O repatriamento de cidadãos indianos retidos noutros países e a evacuação de estrangeiros da Índia para os seus países de origem foram alguns dos aspectos mais bem-sucedidos da nossa resposta. Nos primeiros dias, o Ministério dos Negócios Estrangeiros rapidamente instalou uma célula Covid e uma sala de controlo a funcionar 24h/7, com o objectivo de ajudar os cidadãos indianos no estrangeiro. O PM também instruiu pessoalmente os nossos Chefes de Missão para que fosse facultada toda a assistência possível aos nossos cidadãos retidos noutros países. Posteriormente, a missão Vande Bharat, criada com o objectivo de repatriar os nossos cidadãos retidos no exterior, foi o maior exercício do género alguma vez levado a cabo pelo governo, e demonstrou a nossa capacidade de realizar missões humanitárias complexas de forma eficaz. No âmbito da missão Vande Bharat, até à data mais de um milhão de indianos regressaram de avião, através das fronteiras terrestres e em navios de guerra. Conseguimos trazer para casa cidadãos indianos que se encontravam em locais remotos, e também facilitámos, em voos Vande Bharat, o retorno a casa de cidadãos do Butão e do Nepal retidos em países terceiros.

O rastreio minucioso dos repatriados pelas nossas missões diplomáticas tem garantido que a proporção de casos positivos permaneça extremamente reduzida (menos de 0,2%). Os testes conduzidos à chegada pelo Ministério da Saúde e pelos governos dos diversos estados ajudaram a detectar esses casos. A missão não termina com a chegada dos nossos nacionais. Também estamos a fazer um levantamento das suas competências, colocando-os em contacto com empresas, para oportunidades de emprego.

Também não houve abrandamento na nossa actividade diplomática durante a pandemia. Iniciámos e participámos em diversas conversas importantes em todo o mundo. A nossa política de 'Neighborhood First' estava bem patente quando o PM organizou uma videoconferência dos líderes da Associação para Cooperação Regional do Sul da Ásia (Saarc) no início da crise - o nosso primeiro compromisso do género em tempo de Covid-19. Ele anunciou uma série de medidas para lidar com a pandemia, incluindo a criação de um fundo de emergência covid-19 no valor de US$10 milhões da Índia. Também pedimos uma melhor resposta multilateral às crises globais futuras. Em diversas ocasiões, inclusivé nas cimeiras virtuais do G-20 e do 'Non-aligned Movement', o PM tem proposto a reforma da cooperação multilateral, colocando as pessoas no centro dos nossos esforços. As nossas próprias iniciativas, como a 'International Solar Alliance' e a 'Coalition for Disaster Resilient Infrastructure', são exemplos importantes dessa abordagem. A decisão do G-20 sobre a suspensão do serviço da dívida dos países em desenvolvimento, que a Índia apoiou totalmente, reflecte essa abordagem centrada nas pessoas. No 'Global Vaccine Summit', conduzido online, o PM destacou a forma como a contribuição da Índia para a resposta global, em termos de partilha de medicamentos, foi guiada pela nossa filosofia de Vasudhaiva Kutumbkum. O PM também presidiu à primeira cimeira bilateral virtual com a Austrália, a que se seguiu a cimeira entre a Índia e a União Europeia. Para além disso, o PM manteve contactos com os seus homólogos de 61 países durante este período. O Ministro dos Negócios Estrangeiros conversou com homólogos de 77 países. Mantivemos canais virtuais de comunicação abertos, com vista a fortalecer parcerias e lidar com situações que exigem envolvimento diplomático.

Temo-nos ajustado, adaptado e inovado constantemente, por forma a lidar com as mudanças de realidade, principalmente na forma como nos relacionamos com o mundo. E, no processo, fomos bem sucedidos em elevar o perfil da Índia enquanto interveniente construtivo e confiável no cenário global

Secretário dos Negócios Estrangeiros, Governo da Índia

(As opiniões expressas são pessoais)

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG