Alegre diz que isto é tudo perigoso. E é

A entrevista acabou e os microfones estão desligados quando Manuel Alegre faz um salto histórico, da questão que o move presentemente - o IVA das touradas - até ao seu passado. O salto que encontra no seu passado a explicação para a sua indignação recente. Regressa ao momento em que, depois do 25 de Abril, já em Portugal, vindo do exílio, ele, que era uma das referências à esquerda, resolve juntar-se a Mário Soares no PS e lutar contra os radicalismos - de esquerda e militares. Os seus olhos azuis estão sérios. E a voz cava diz: "É isso. Isto é tudo demasiado perigoso."

O IVA das touradas não é uma questão demasiado pequena para invocar tão grande luta? Seria, não fossem estes tempos estranhos em que vivemos. Portugal, sendo um país pequeno, de elites ainda mais endogâmicas, e comunicação social anémica, tem tendência a sobrevalorizar alguns temas e polémicas que se revelam espúrias. Damos demasiada atenção ao futebol, por exemplo.

Não é o caso das touradas, que vão, aliás, no mesmo sentido da polémica à volta de chamar descobrimentos aos descobrimentos. Num caso, ao arrepio da história, julgando com valores de hoje o que aconteceu ontem. No outro, ao arrepio da tradição, ignorando o que faz de um país um país, e alienando uma boa parte dele em prol dos valores da outra parte.

Ao ignorar e, sobretudo, desprezar uma boa parte dos que não pensam como nós, começamos por dividir, acabamos a aliená-los. Foi o que aconteceu na América que elegeu Trump - não constituída por trogloditas, mas antes por gente com problemas reais e valores tradicionais que se sentiu deixada de lado por uma certa esquerda a que estava habituada a recorrer e pela direita que não perfilhava os seus valores. Apareceu Trump, um ser vazio e sinusoidal, disposto a oscilar o discurso à medida do que essa gente queria ouvir. Os resultados, do lado de lá do Atlântico, são os que já conhecemos, e outros a que ainda assistiremos.

Quando a micro-história se junta à História com H grande, aos olhos de um homem como Manuel Alegre, nós, os que vivemos menos, e menos intensamente, nós os que temos menos experiência, devíamos parar para ouvir. Quando Manuel Alegre se recoloca no espaço público, para tomar lugar nesta frente de batalha das touradas, é preciso observá-lo. Hoje, como nesses momentos iniciais da revolução, ele é uma voz contra os radicalismos.

Na altura, lutou contra a perspetiva de um panorama dramático, entre um regime militar musculado e uma esquerda desabrida. Aos que estão a encolher os ombros a achar toda esta comparação demasiado ridícula, ele lembra que aquilo contra o que lutou foi a violência latente dos que, de ambos os lados, achavam que a razão só tinha um sentido, e era o deles.

O toque final para a conclusão de Alegre foi a reportagem da TVI que redescobriu um grupo violento de defesa dos direitos dos animais - que, note-se, não tem vergonha de se chamar IRA - e se deixou fotografar de cara tapada para as redes sociais. Já há, talvez, demasiados encapuzados na vida recente portuguesa para não nos preocuparmos.

Primeiro foram os membros da claque Juve Leo que assim entraram na Academia de Alcochete para bater nos jogadores do Sporting que estavam contra a sua direção. Agora são estes, em defesa cega dos animais. Quando alguém, em paz e democracia, esconde a cara numa luta é porque, lá no fundo, sabe que essa luta não será assim tão justa. E isso é tão perigoso como parece. E como dizia Alegre.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.