Obrigado, presidente George H. Bush

O antigo presidente americano George H. Bush morreu ontem à noite em Houston, aos 94 anos.

Foi o último da geração da Segunda Guerra Mundial a ser eleito presidente. Foi o primeiro, em 152 anos, a chegar à Casa Branca no exercício das funções de vice-presidente. Mas foi também o presidente em exercício com a mais baixa votação para a reeleição desde William Taft, em 1912. Talvez por estar entre dois presidentes tão carismáticos - Ronald Reagan e Bill Clinton - a história não tenha dado a devida importância a George H. Bush, mas não andarei muito longe da verdade se concordar com o que um dia disse o seu grande secretário de Estado, James Baker: "Foi o melhor presidente de um só mandato na história dos EUA".

A ordem internacional é uma daquelas expressões em que normalmente não se perde muito tempo a pensar até ao seu desaparecimento. Nessa altura de transformações estruturais na balança de poder, na tipologia de regimes e no quadro das relações de segurança entre as grandes potências, o clássico desfecho surge plasmado nas páginas de um célebre tratado que invariavelmente põe fim a uma guerra trágica e avassaladora. Foi isto que não aconteceu na transição da ordem bipolar para a unipolar que sucedeu a partir do fim da Queda do Muro de Berlim (1989) e da dissolução da União Soviética (1991).

A experiência diplomática do presidente Bush pai foi decisiva

Nesta fase absolutamente definidora de praticamente tudo aquilo com que ainda hoje lidamos - hegemonia militar americana, posição cimeira da Alemanha unificada na construção europeia, efeitos dos alargamentos da NATO, da UE, da OMC e dos membros das Nações Unidas, prevalência das instituições de Bretton Woods, acomodação da emergência sustentada da China, salvaguarda das alianças asiáticas pelo Ocidente, gestão das expectativas e dos revanchismos da Rússia -, a experiência diplomática do presidente Bush pai foi decisiva. Convergiu com Gorbatchev na transição ordenada do final da Guerra Fria e no quadro de desarmamento bilateral que ainda prevalece. E convergiu com Kohl, Miterrand, Thatcher e Gorbatchev na transição alemã, garantindo que se faria no interior da Aliança Atlântica, sem levantar os fantasmas de uma reemergência incontrolável.

Se a Europa foi sendo um continente de guerras totais, a forma como os anos de 1989-1991 foram politicamente geridos, permitiu que a União Europeia continuasse a ser a fórmula da paz continental. E isto é tanto. Sobretudo para as gerações a quem a guerra nada diz. Obrigado, presidente George Herbert Bush.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.