O mercado terrorista

Os ataques em Jacarta por células do ISIS radicadas no Sudeste Asiático mostram bem até onde vai o arco geográfico do grupo com sede na Síria. O primeiro erro de análise é pensar que o ISIS veio apenas redefinir as fronteiras do Médio Oriente, abdicando de concorrer com o terrorismo contemporâneo noutras paragens, como o Sudeste Asiático (Indonésia, Malásia, Filipinas e Tailândia), cujos contingentes nacionais na Síria/Iraque andam entre 600 e mil homens. Essas duas etapas são complementares: é certo que Iraque e Síria são o centro nevrálgico do projeto geopolítico do califado, mas a partir do momento em que os derrubes de Bagdad e Damasco se tornaram mais difíceis passou a ser também prioritário não deixar a Al-Qaeda isolada no mediático mercado bombista. É isto que liga Paris a Jacarta: a necessidade de potenciar as células locais em proveito da patente catastrofista. Aliás, a concorrência surge já na forma como variadíssimo grupos autóctones - da Nigéria ao Egito, da Líbia à Indonésia, da Índia às Filipinas - têm jurado fidelidade ao ISIS e aberto cisões internas. Um bom exemplo foi o que aconteceu à Jemaah Islamiyah, poderosa organização indonésia espalhada na região e ligada à Al-Qaeda, que viu um dos seus dirigentes furar a tradição e fundar uma ala fiel ao ISIS, a Jemaah Ansharut Tawhid. O segundo erro é olhar para estes grupos terroristas como braços armados de um exclusivo conflito civilizacional anti-Ocidente. Claro que há um ódio ao que o Ocidente representa e defende nos planos da liberdade e da postura internacionalista, mas a esmagadora maioria dos ataques dá-se em países muçulmanos. Ora, isto revela, acima de tudo, o choque em curso dentro da própria civilização islâmica. Apesar das tragédias que nos esperam, o terrorismo só sairá derrotado à medida que as nações ocidentais e as restantes se aproximarem.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...