Império-pés-de-barro

Depois de alterada a data para coincidir com o quarto aniversário do tratado de anexação da Crimeia, a Rússia vai coroar Vladimir Putin, não elegê-lo. O que está em causa não é um exercício de accountability feito numa democracia normalizada, mas uma avaliação rigorosa ao aparelho burocrático, à nomenclatura que, verticalmente, é comandada por ele. No fundo, se corresponde às expectativas e cumpre a missão confiada. Por um lado, garantindo uma adesão acima dos 70%, ultrapassando todas as eleições presidenciais desde 2000 e mostrando uma imensa satisfação popular com o regime. Por outro lado, executando uma missão que prove a eficácia de governadores, autoridades locais e estruturas partidárias, fundamental caso queiram permanecer nos respetivos cargos e aspirar a novos voos nestes anos próximos que até podem vir a ser de sucessão no poder. Assim, 70% de participação e 70% de votação darão ao regime mais um aval à eternização, enviando uma mensagem a Washington, Berlim, Londres, Paris e Pequim: tudo o que está a ser feito tem o apoio absoluto do povo russo e não existem razões para ceder.

A construção que Putin tem dado ao excecionalismo russo tem tanto de oportunidade como de natural, manipulador e revisionista. Para tal, recuperou alguns dos teóricos da "alma russa", como Berdyaev e Ilyin, este último particularmente do seu agrado e cujo pensamento assenta em três pilares perfeitamente adaptáveis à atual estratégia. Primeiro, a crença num estatuto e num propósito singular universal. Segundo, uma devoção à fé cristã ortodoxa. E terceiro, a convicção na autocracia. É esta trilogia que baliza a ideia de um país superior a qualquer dicotomia Ocidente-Oriente, glacialmente imune ao cânone individualista e liberal (ambas fontes de imoralidade), herdeiro de um património cultural tão sólido que estrutura, de forma intemporal, a grandeza do Estado. Putin viu ainda na profecia ilyinista - "a nossa hora irá chegar quando a Rússia emergir da desintegração e da humilhação e começar a época de grandeza" - a orientação do nacionalismo identitário da sua presidência e a continuidade orgânica da teologia política.

Esta tentação constante de entrar agressivamente em disputa diplomática e militar com o exterior - com o statu quo europeu que emergiu após a implosão da União Soviética (Geórgia em 2008, Ucrânia em 2014), ou a arbitrariedade na demonstração do seu poder militar na Síria (desde 2015), ou os assassínios seletivos a dissidentes no estrangeiro (Litvinenko, Skripal) - tornam Putin de tal maneira popular na Rússia que se torna inevitável concluir, aos olhos do Kremlin, que qualquer inversão nessa estratégia de ilusão de grandeza imperial destapará o manto de fragilidades internas, implorando o regime. A cereja em cima do bolo tem sido a piada que muitos russos contam sobre o poder de Putin, que "até já consegue decidir quem se senta na Sala Oval".

Por outras palavras, este tem sido o segredo do putinismo: restituir à Rússia a ideia de um Estatuto de paridade, ou mesmo de ascendência, sobre os vencedores da Guerra Fria, perdida nos loucos anos de Ieltsin. A missão de Putin, apesar de ter sucedido ao velho Boris, sempre passou por transformar a anarquia dos anos 1990 numa vacina para consolidar um poder centralizado, impenetrável e absolutamente impiedoso. Putin orientou sempre a sua estratégia sabendo da perceção popular que associava a anarquia, as desigualdades e o saque aos recursos nacionais a uma suposta antecâmara da tomada de controlo da Rússia por uma qualquer potência com ambições. Por isso, foi brutal com Khodorkovsy, avassalador na Chechénia, letal com Politkovskaya.

Mas, como Max Weber sabiamente colocou, o carisma pode ajudar a criar um sistema, mas não garante necessariamente a sua sustentabilidade. Em boa verdade, o que Putin fez nestes 18 anos foi substituir uma oligarquia por outra, trazer para a órbita do seu clã todas as empresas e bancos estruturais à economia, premiar lealdades, recuperar a parafernália imperial e soviética, garantir uma união inquebrantável com a Igreja Ortodoxa e pôr em marcha uma máquina de propaganda interna e externa como há muito não se via. Sem precisar de mencionar as várias eleições e referendos nos EUA e na Europa alvos do Kremlin e a teia partidária sob seu patrocínio espalhada na UE, recordo o que me foi dado a conhecer em novembro na Letónia, país que conheceu recentemente uma vaga de emigração russa de 25 mil pessoas, sobretudo por incompatibilidades com o regime, com muitos a serem surpreendidos com a idolatria a Putin que encontraram em muitos setores russófonos do Báltico. A razão? O efeito direto da propaganda.

Só que hoje a riqueza produzida na Rússia está mais próxima da holandesa ou da espanhola do que da chinesa ou americana. A Rússia só é uma potência emergente para quem desconhece o significado da palavra. As desigualdades estão mais expostas, dada a acumulação de fortunas no círculo próximo de Putin e o alto custo de vida nas grandes cidades. O despovoamento territorial, o acelerado declínio demográfico, as insuficiências do Estado social e a crónica falta de diversificação económica tornam o médio prazo politicamente insustentável. A banca está praticamente nacionalizada para acomodar falências e o custo milionário das guerras na Ucrânia e na Síria podem ser para Putin o que o Afeganistão foi para os soviéticos. O pulso implacável sobre opositores e dissidentes é mais uma prova de fraqueza do que de força. Putin é czar num império com pés de barro.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.