A Europa segue dentro de momentos

Em boa verdade, nada do que está a suceder na Catalunha foge muito da previsibilidade. As intenções unilaterais independentistas seguiram o caminho previamente anunciado, Madrid respondeu com uma grelha legalista que, aliás, se pode encontrar noutros ordenamentos penais europeus (Alemanha, França, Itália ou Bélgica, por exemplo), a economia real deu os sinais que se esperava, as ruas foram-se enchendo de empenho em causas várias. As greves já apareceram e vão voltar a aparecer, a violência intercalou com a desobediência, os partidos foram esgrimindo posições em trincheiras entre constitucionalistas duros, negociadores flexíveis, separatistas sem travão, independentistas temerários e federalistas militantes. O rei posicionou-se - ou melhor, desposicionou-se -, já foram marcadas eleições, abriu-se um inédito regime de exceção constitucional à autonomia catalã e, por fim, antecipando-se a uma ordem de detenção judicial, o líder do governo regional foi passear a Bruxelas para forçar até à última a europeização da crise e ganhar o máximo de tempo para que a vitimização política tenha expressão eleitoral em dezembro.

A esperança do governo minoritário de Rajoy é, em face de tudo isto, mudar os protagonistas na Catalunha pela via eleitoral e pela via legal. Esta última irá sempre acompanhar a primeira, mas as coisas podem correr-lhe mal. Se a vitimização e a chama independentista (unilateral ou não) continuarem acesas - mesmo com dirigentes políticos presos ou em fuga - oficializando uma frente pré-eleitoral suficientemente coesa capaz de disputar e até vencer a eleição, então Rajoy terá de tirar ilações políticas deste processo e o foco virar-se-á sobre si. Em último caso, num histórico de espiral de eleições em que Espanha mergulhou nos últimos dois anos e tendo em conta o regime de exceção constitucional que vigora na Catalunha, não me parece descabido que, em caso de vitória independentista, tudo não seja feito a partir de Madrid para desmembrar essa frente com o objetivo de convocar novas eleições a curto prazo. Lembro ainda que a aprovação do Orçamento espanhol decorre em paralelo e que para tal é precisa uma base parlamentar de apoio ao PP. Ou seja, além do ensaio separatista ao Estado, as condições de governabilidade em Espanha também estão em cima da mesa.

É neste quadro que entra a ideia de revisão constitucional entretanto veiculada de mansinho no Parlamento pelo PSOE e pelo PP. Parto do argumento de que o epílogo de toda esta história será a sua aprovação, consagrando um Estado federal plurinacional. A questão está no caminho até se chegar lá. A encruzilhada catalã, controlada ou não por Madrid, teve o condão de subir o degrau mais difícil do debate de forma a deixar acesa a escapatória salomónica do federalismo. Não é o que a CUP queria, não estava também na agenda política do governo espanhol, mas é o expediente que irá provavelmente acomodar os interesses das maiorias políticas e sociais dos dois lados. Neste sentido, há um sentido de irreversibilidade na reformulação da Espanha democrática pós-1976, roteiro que irá exigir arte política, jurídica, bom senso, muita negociação, irá levantar várias reivindicações regionais, ansiedade nos agentes económicos, disputas eleitorais acesas, posicionamentos diferentes dentro dos partidos, obrigará o rei a acompanhar de outra forma o processo político, suscitará todos os recursos na combativa imprensa espanhola e mobilizará a sociedade. Olhar, por isso, para o novelo catalão como um ponto de chegada é um erro: é a partir daqui que Espanha vai ser obrigada a reinventar-se. Isto só agora começou.

Ao longo deste tempo (meses? anos?), as comunidades autonómicas irão todas a jogo, o que torna tudo ainda mais complexo. Os seus estatutos passarão a Constituições dos Estados federados subordinadas necessariamente à Constituição espanhola? Provavelmente é esse o passo natural. Uma alteração institucional do atual Senado para uma representação efetiva do modelo federal e não de uma certa duplicação funcionalista do Congresso dos Deputados? Também pode ser por aqui. Ou aproveitar para alargar o âmbito da reforma e ir ao modelo de financiamento autonómico e até ao próprio sistema eleitoral? Certamente haverá quem seja tentado a ir por aí. O que me parece impossível é que tudo isto se passe sem um grau elevado de tensão política num espaço temporal indefinido. É aqui que entra o ponto de vista exterior a Espanha.

A começar pela atmosfera política pré-eleitoral em Itália, com a agenda antissistémica e separatista a crescer, passando pela concretização da reforma da zona euro paralelamente à indefinição na sua quarta maior economia, terminando nos efeitos (negativos e positivos) num país tão exposto a tudo o que vem de Espanha, como é Portugal. Já para não mencionar a gestão permanente de danos que a negociação do brexit encerra, o sucesso da presidência francesa medido também pela aceitação em Berlim de algumas das propostas de Macron para a moeda única, dos choques que se vão sentir no interior da NATO e da UE entre os que estão a investir no setor da defesa e os que assobiam para o lado, fora os suspeitos do costume que vão agitando as águas, como a política de desarticulação comunitária do Kremlin, a dessintonia entre muitas capitais europeias e Washington, ou a grande estratégia chinesa com o cheque e o charme em cada aperto de mão. Quem decretou o fim dos riscos políticos na Europa depois das várias tormentas de 2017 está a tirar uma fotografia precipitada. A Europa segue dentro de momentos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.