E lucevan le stelle...

No céu brilhavam as estrelas! Os portugueses distinguiam-se em várias modalidades desportivas. Os cruzeiros internacionais chegavam cada vez mais ao porto de Lisboa. Aumentava o número de estrangeiros que desejavam viver em Portugal. Abriam hotéis todos os dias. A temporada turística era maior do que a estação de Verão.

Estava tudo a correr tão bem! As agências internacionais tinham-se finalmente rendido à justeza da política do governo. A economia crescia. O desemprego baixava. A exportação aumentava. Os investimentos estrangeiros batiam à porta. O Novo Banco estava vendido. O Orçamento negociado: o Bloco gabava-se de tudo o que era bom, mesmo do que não era obra sua. O PCP exigia tudo o que já obtivera. O governo tinha folga para dar ao Bloco e ao PCP o que queriam.

Apesar de a CGTP resmungar e a Fenprof vociferar, reinava a paz social. Magistrados e enfermeiros juntavam-se aos sectores laborais em luta, mas sem ameaça. O Bloco e o PCP defendiam a solução de governo. O PSD entrava em crise de liderança e, com eleições dentro de alguns meses, deixava o governo em paz. O julgamento de Sócrates anunciava-se para mais tarde e cada vez desaparecia mais a ligação daquele malfadado governo ao Partido Socialista e aos actuais governantes. As ligações perigosas reveladas pelo processo Sócrates podiam esperar. Os fantasmas de Lula, Chávez e Maduro deixavam de ameaçar. O julgamento de Ricardo Salgado parecia estar cada vez mais longe, dissolvendo-se no tempo as interacções daquele grupo com os governos, especialmente os socialistas. Pensava-se que era fácil arranjar uma explicação para o insólito desaparecimento de Tancos e a extravagante aparição da Chamusca. Manhãs gloriosas e noites tranquilas! Não é possível pedir mais! Brilhavam as estrelas! E muitos nunca se tinham sentido tão felizes!

Eis senão quando... Parece uma tempestade perfeita! Tudo ruiu, a confiança e a esperança. A epifania terminou bruscamente. Ao revelarem a incompetência das instituições, a impreparação dos serviços e talvez o clientelismo da Protecção Civil, os fogos de Verão destruíram a confiança reinante. Os relatórios de Pedrógão deixaram a Administração de rastos. A segunda vaga de incêndios gerou perplexidade e insegurança. Mais de uma centena de mortes mostraram a vulnerabilidade de um país, a fragilidade de um povo e a incompetência de um Estado.

Os co-responsáveis por este governo, Bloco e PCP, depressa declararam que nada tinham que ver com a Protecção Civil e que os verdadeiros culpados eram os governos de direita. Depois de perderem as eleições autárquicas, os comunistas decidiram atacar. O Bloco também e entendeu chegado o momento de rever a sua posição e pensar no futuro.

Hábil e habilidoso, como é reputado, o primeiro-ministro preparou-se para gerir a crise, como hoje se diz: arrumar as crises parciais, dissolver as mais graves, puxar pelas coisas boas, dilatar no tempo as más, adiar problemas, prometer subsídios e anunciar medidas e dinheiro. Mas essa é a gestão de crise dos burocratas e dos políticos de laboratório. Está tudo certo, menos o imprevisto, o vital, o sofrimento, a confiança... E faltam sinceridade e prontidão. E, algures, uma réstia de humanidade.

A verdade é que quase não há quem pense a floresta, raros consideram as árvores, poucos estudam os incêndios. O governo preocupa-se com o Orçamento, os seus aliados e as notícias nos jornais. António Costa pensa em Lisboa e Bruxelas. Os socialistas são urbanos e interessam-se pelo governo. Os comunistas são urbanos e alentejanos. O Bloco é urbano e litoral. O PSD está desgarrado. O CDS não tem força. A direita sonha com negócios, os socialistas com startups e os comunistas com nacionalizações. O governo tem mais que fazer. Os autarcas desesperam e garantem que não têm poder nem meios, mas raros se fizeram ouvir durante o ano. Parece que só o Presidente Marcelo fez o que tinha a fazer e fez tudo o que podia. O Presidente e os bombeiros.

As minhas fotografias

Família chinesa diante da Cidade Proibida, com soldados, turistas e Mao

Tudo o que ali está parece harmonioso! A pacificada Tiananmen, uma das maiores praças do mundo, repleta de turistas nacionais e estrangeiros, três gerações de uma família feliz com a sua sorte, soldados rígidos e hieráticos e o retrato kitsch de um dos maiores ditadores da história contemporânea. Nesta semana de Outubro, o congresso do Partido Comunista Chinês, o maior do mundo, confirmou o seu chefe, Xi, elegeu a sua direcção, estabeleceu que as políticas de Xi passassem a ser "o pensamento do presidente Xi", autoproclamou--se a maior economia do mundo, garantiu que a China seria democrática, poderosa, culta, desenvolvida e bela em 2050. Mais, revelou estar a construir a maior frota marítima do mundo, as maiores centrais nucleares do mundo e o maior exército do mundo. Apesar de ser também o país mais poluidor do mundo, decidiu manter-se no Acordo de Paris e criticou o governo americano por ter saído. fotografia de antónio barreto

* Por decisão pessoal, o autor do texto não escreve segundo o novo Acordo Ortográfico.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG