Porque estão as pessoas a marimbar-se para as europeias?

Sim, eu sei que está farto de ver políticos em arruadas, feiras e mercados. Que já não há paciência para as danças ridículas, para as voltinhas de bicicleta - ou de helicóptero - e para o político que decide tocar bateria, só para garantir que aquela imagem se torna viral. Bem sei que já não se aguentam os discursos inflamados e a reação à reação do outro que disse o que não queria dizer. Eu sei que temos todos bons motivos para não ligar nenhuma às eleições europeias. Mas se o erro de pensar assim não é nosso, as grandes vítimas da abstenção seremos nós.

O país parece estar em campanha há uma eternidade. A proximidade com as eleições legislativas não ajuda e a nacionalização que António Costa fez das eleições para o Parlamento Europeu foi um golpe fatal para desvalorizar ainda mais um ato eleitoral que devia estar no topo das nossas prioridades políticas e que acabou por se tornar numa espécie de primárias para as "eleições a sério".

A estratégia de António Costa começou a tornar-se evidente no momento em que o PS anunciou Pedro Marques como cabeça de lista. Um candidato a quem o país conhece a cara mas de quem nunca se lembra do nome, pouco mediático, sem carisma e sem qualquer experiência em campanhas eleitorais, só podia significar uma coisa: o protagonista da campanha socialista não era Pedro Marques, mas sim António Costa. Se dúvidas houver, basta olhar para os cartazes que o PS tem na rua nesta reta final da campanha, que dão tanto ou mais destaque ao secretário-geral que ao cabeça de lista socialista.

O PS, porém, está longe de ser o único responsável pelo desinteresse nesta campanha eleitoral. Na verdade, todos os partidos políticos partilham este fardo que está a levar a um afastamento cada vez mais evidente - e preocupante - dos eleitores.

Num mundo que é digital, as máquinas partidárias continuam a insistir em campanhas analógicas que parecem saídas da década de 1980. Dos caciques que não abdicam dos seus 30 segundos de fama e fazem questão de levar os candidatos ao centro de saúde, ao lar, à escola ou à empresa do amigo, só para poderem fazer de emplastros. Aos discursos repetidos feitos em almoços e jantares para uma plateia que já está evangelizada ou, pior ainda, que só lá foi porque há comida e bebida de borla. Isto já para não falar do eterno cliché das feiras, mercados e festas populares, onde acontecem sempre as situações mais burlescas e constrangedoras. Ou das ruas vazias que são calcorreadas pelos candidatos rodeados de jotas e de jornalistas de microfone em punho, à espera do inesperado, não vá alguém aparecer e dizer o que o candidato não quer ouvir.

O que nos leva à cobertura jornalística, tantas vezes criticada por políticos e comentadores, muitos deles jornalistas frustrados, que nunca fizeram uma reportagem na vida, quanto mais uma campanha eleitoral. No jornalismo, como em todas as profissões, há bons e maus profissionais. E se é verdade que há reportagens de campanha miseráveis, nas televisões, nas rádios e nos jornais, que nos provocam vergonha alheia - agora, como sempre -, não é menos verdade que é graças aos bons profissionais que ainda andam no terreno que esta encenação e a cheirar a bafio, própria das campanhas eleitorais, é desmontada todos os dias.

Os jornalistas não existem para ajudar os partidos políticos a construir uma percepção de campanha eleitoral, existem para relatar o que vêem, o que ouvem e para terem sentido crítico. E sim, jornalismo é subir à varanda do prédio e mostrar que uma arruada foi um sucesso ou foi um fracasso, na mobilização que os partidos pretendiam alcançar. Jornalismo é tentar perceber se as mil pessoas que encheram o pavilhão durante um comício lá foram por convicção e porque querem apoiar o candidato, ou se o partido as "convenceu" de alguma forma menos ortodoxa, apenas para enganar os eleitores que vão ver aquelas imagens nas televisões e nas redes sociais.

O jornalismo tem a obrigação de procurar, até ao limite do possível, a verdade dos factos. E a verdade dos factos, numa campanha eleitoral, é que 90% do discurso dos candidatos é igual todos os dias, várias vezes ao dia. Os 10% que restam são normalmente utilizados para reagirem à notícia do dia, à polémica mais recente ou para o ataque mais feroz ao adversário. Mas tenho uma notícia para dar aos críticos dos jornalistas: não somos nós que escrevemos os discursos dos políticos.

Ao contrário do que muitos continuam a pensar, os meios de comunicação social não existem para dar tempo de antena aos partidos políticos - grandes ou pequenos -, mas para dar notícias, para informar e para fazer jornalismo, sem ignorar ninguém. O jornalismo pressupõe critérios editoriais, honestos e devidamente fundamentados. Ora, a estas eleições europeias concorrem, em Portugal, 17 partidos políticos (em 2014 eram 21), muitos deles sem qualquer atividade política relevante durante os anos em que não existem atos eleitorais. Outros são feitos à pressão na véspera da campanha e outros ainda só têm ações de campanha se a comunicação social aparecer. Querem mesmo que os eleitores os levem a sério? Mal está um partido político se depende da comunicação social para ter existência própria.

Estas eleições europeias não têm, deste ponto de vista, qualquer novidade. Nem no fenómeno dos partidos virtuais, nem na forma como os partidos do sistema continuam a fazer campanhas eleitorais iguais às dos últimos 30 ou 40 anos. Não esperem, por isso, que sejam os jornalistas a resolver sozinhos o desinteresse dos eleitores. Mesmo que seja possível - e é - fazer melhor jornalismo, são os partidos que têm que olhar para a realidade e perceber que, a continuar assim, as taxas de abstenção vão continuar a subir. Com consequências que podem ser dramáticas para todos.

A Europa tem pela frente uma das batalhas mais importantes da sua história: a da existência. Com uma União Europeia encurralada entre o Brexit, o populismo crescente e um projeto económico que nunca se concretizou, escolher quem nos representa no Parlamento Europeu é uma das armas mais poderosas que temos. Por isso, mesmo que não tenha paciência para a campanha eleitoral, vá votar. Porque os que querem destruir a Europa, esses vão seguramente.

Escreve de acordo com a antiga ortografia

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.