Lutero: somos mendigos

1 Teria sido possível encontrar um acordo quanto às 95 teses de Lutero, mesmo quanto às que são mais claramente de crítica ao Papa: "Pregam doutrina humana os que dizem que a alma voa do purgatório para o céu, mal o dinheiro cai na caixa." "Porque é que o Papa não esvazia o purgatório, baseado num motivo correcto: um amor santíssimo e a extrema necessidade das almas, em vez de resgatar um número incontável de almas, baseado num motivo bem insignificante: o funesto dinheiro para a construção de uma igreja?" "Porque é que o Papa, que é hoje mais rico do que o mais rico Crasso, não prefere pelo menos construir a Basílica de São Pedro com o seu próprio dinheiro, em vez de fazê-lo com o dos fiéis pobres?" Aliás, ele mandara as teses ao bispo de Mainz e só porque não recebeu resposta é que as tornou públicas. Infelizmente, o próprio papa Leão X, que aos 13 anos já era cardeal e que estava mais preocupado com o poder e o fausto do que com o Evangelho e que não percebeu que se estava numa mudança de época, pensou que tudo se resolvia com a excomunhão do frade alemão. Não foi assim, e o que é facto é que, como escreveu Viriato Soromenho Marques, "em poucos anos, o que era um protesto aparentemente localizado e sectorial contra um cristianismo ocidental romano, já com frestas mas ainda unificado, transformou-se num poderoso e plural movimento que iria cindir, violenta e definitivamente, não só o cristianismo como a política, a sociedade e a cultura do Velho Continente".

2 As indulgências foram apenas a ocasião. O que acabou por romper a unidade e pôr em marcha consequências que o próprio Lutero não desejava foi a doutrina luterana dos "sós": sola fides - só a fé: a salvação dá-se exclusivamente pela fé, sem o contributo das obras; sola gratia - só a graça, sem méritos; sola Scriptura - só a Bíblia, a única autoridade na e para a fé. Esta concepção punha fim às mediações: dos sacramentos, só o baptismo e a eucaristia eram reconhecidos; o próprio Erasmo de Roterdão, humanista e crítico mordaz da Igreja, recordou a Lutero que, segundo a Bíblia, em ordem à salvação, há a colaboração da liberdade humana; a razão não pode ser excluída da fé; as Escrituras têm de ser lidas sem invalidar a tradição...

Neste quadro, o protestantismo contribuiu de modo decisivo para a secularização/secularismo. Sem mediações, entre um Deus radicalmente transcendente, totalmente Outro, e uma humanidade radicalmente pecadora, ficava um mundo totalmente profano, sem qualquer significado divino, que já não é veículo da graça. Com o tempo, uma vez que Deus está tão distante do ser humano, pode-se chegar ao seu esquecimento e, no longo prazo, à sua negação. Assim, a Reforma também está na origem das modernas concepções radicalmente imanentes. É a ironia da história das ideias: uma vez lançadas, podem provocar consequências que de modo nenhum estavam nas intenções dos seus autores e até lhes são totalmente opostas.

Neste contexto, Lutero defendeu a doutrina dos dois Reinos, distinguindo bem a esfera temporal e a esfera espiritual, o reino da política e o reino da salvação, de tal modo que a liberdade cristã fica separada da transformação social deste mundo. Assim, dizer que a liberdade trazida por Cristo é incompatível com a servidão, como afirmavam os camponeses rebeldes em Os Doze Artigos, "significa tornar a liberdade cristã uma liberdade completamente carnal". "O Evangelho não tolera nunca a rebelião." Subordinou a Igreja à autoridade do Estado, de tal modo que o príncipe ou o senhor pode ser "o funcionário da justiça de Deus e o servidor da sua ira." A liberdade e a igualdade cristãs não são para este mundo. Assim, Lutero, que, num primeiro momento, pedira aos príncipes "Por amor de Deus, cedei um pouco face ao furor dos camponeses", pouco tempo depois, com base na "matança de Weinsberg", pôs-se completamente do lado dos príncipes e "contra os camponeses, ladrões e assassinos; nisto, molho a minha pena em sangue: apelo aos príncipes que matem os ofensivos camponeses como cães raivosos, que os apunhalem, os estrangulem e destruam como melhor puderem... Não quero opor-me às autoridades que, podendo e querendo fazê-lo, reprimam com todo o vigor e castiguem esses assassinos sem oferta prévia de alcançar um acordo equitativo, mesmo quando essas autoridades não forem tolerantes em relação ao Evangelho".

Thomas Münzer, que fora discípulo de Lutero mas se distanciara dele por causa da opressão a que estavam sujeitos os camponeses, não se contentava com a libertação interior e queria estabelecer o Reino de Deus mediante uma ordem social justa. Na batalha de Frankenhausen, em 1525, foi feito prisioneiro, torturado e decapitado. Os conflitos causaram a morte a mais de cem mil camponeses.

3 São incontáveis na história os efeitos positivos de Lutero como testemunha de Cristo e do Evangelho: a leitura e a difusão da Bíblia, a tomada de consciência pelos cristãos do sacerdócio universal e da sua radical igualdade em Cristo, a reforma da(s) Igreja(s), a afirmação da subjectividade e da liberdade, a educação, a promoção da mulher, a força da música na liturgia, os seus catecismos... Mas há ainda outra dimensão marcante nas suas contradições: depois de ter defendido uma coabitação amigável com os judeus, fez um volte-face e pediu, em 1543, a sua expulsão, o confisco dos seus bens, o incêndio das sinagogas: "Primeiro, incendeie-se as suas sinagogas e cubra-se de terra e sepulte-se o que recusar arder, a fim de que ninguém possa ver o seu mínimo traço por toda a eternidade."

4 Lutero morreu na sua cidade natal, Eisleben, em 1546, invocando Jesus Cristo. Numa nota escrita na véspera da morte estão estas palavras: "Wir sind Bettler, das ist wahr" (somos mendigos, é verdade).

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG