Desabafos ético-políticos

1. O nosso tempo é um tempo cheio de possibilidades, promessas e realizações. Mas é também o tempo de um imenso vazio humano-espiritual. Para isso, duas razões principais. Por um lado, a falta de tempo, quando deveríamos, aparentemente, ter muito mais tempo. A vertigem do correr pelo correr, sem destino nem horizonte de finalidades propriamente humanas, porque é preciso correr, pela simples razão de que não se pode deixar de correr, esvazia a vida, sem tempo para o essencial. Por outro lado, o tsunami de informações, de opiniões, de comentários de comentários - nunca se tinha visto tão vistosa a profissão de comentador -, dispersa a existência, fá-la fragmentada, sem oriente nem norte, que é isso que quer dizer desorientado e desnorteado. Só resta a superfície e o "surfar" por ela, em vaidades fúteis. Para a política, sem estadistas, fica a busca, por todos os meios, do poder e da sua manutenção, em conluios espúrios com interesses outros que não propriamente o bem comum.

Em interpenetração e interdependência com estas razões, há uma terceira, mais funda: a perda do sentido último. Sem a transcendência, já não se espera para lá do tempo e tudo vacila oscilantemente. Sem a ultimidade imanente-transcendente, sem eternidade, fica o imediato, o aqui e agora, e tudo se dissolve em momentos que se devoram. Então, é aqui e agora que se goza, no prazer, no ter, no poder, no consumismo do consumo. Porque, depois, é o nada. Numa sociedade pós-cristã, o que restou é o relativismo e mesmo o niilismo. E aí está a prova: a incapacidade de integrar na existência as contrariedades e as dores que a vida inevitavelmente traz - veja-se a definição idealizada de saúde da OMS: "A saúde é um estado de bem-estar completo, físico, espiritual e social, e não apenas a ausência de doença e enfermidades", e outros propuseram o ideal de saúde como o estado de bem-estar para poder trabalhar e gozar -, e esta é a primeira sociedade na história que não sabe lidar com a morte e que, por isso, teve de fazer dela tabu: disso pura e simplesmente não se fala e é preciso viver como se ela não existisse. Mas com a morte-tabu, já não há distinção, como mostrou atempadamente Martin Heidegger, em Sein und Zeit (Ser e Tempo), entre existência autêntica e existência inautêntica. E, na indistinção de dignidade e indignidade, justiça e injustiça, bem e mal, apagou-se a ética. Se tudo desemboca no nada, já tudo é nada.

2 Tanto intróito, para três desabafos

2. 1. Há quem se zangue muito por eu dizer que a legalização da eutanásia (já se ousa dizer eutanásia, porque se chegou a apresentar um projecto de lei para a despenalização da morte medicamente assistida, como se não quiséssemos todos uma morte medicamente, e não só, assistida) configura uma mudança civilizacional. Não configura? Se o Estado consagrar o direito de pedir a eutanásia, fica com mais uma obrigação: satisfazer esse direito, isto é, matar (por mais eufemismos que se use, é disso que se trata: dar a morte), quando a finalidade do Estado é beneficiar a vida. Disse, e bem, o bastonário da Ordem dos Médicos, Miguel Guimarães: "Uma pessoa pode ter o direito de querer morrer. Mas não pode ter o direito de pedir que a matem... (E) vão ter de ser os médicos a praticar a eutanásia, embora não conheça qualquer tratado onde conste que matar seja uma função dos médicos." Para lá do mais, quando se frequenta o SNS, como me aconteceu recentemente, ao acompanhar um familiar a uma urgência, percebe-se melhor os perigos dramáticos que se corre ao legalizar a eutanásia. Não há o perigo do "plano inclinado", empurrando alguns a pedir e outros a interiorizar que devem pedir a eutanásia? Veja-se a Bélgica, onde a eutanásia foi praticada a uma jovem de 27 anos por um problema psíquico. Depois, dizer que há esclarecimento suficiente da população é falso, como posso facilmente mostrar empiricamente.

Esta não é uma questão como as outras, pois é mesmo disso que se trata: da vida e da morte. Se houver um erro, não é possível repará-lo. Os partidos, com excepção do PAN, que escreveu que seria tema a debater, não colocaram a questão nos programas. Então, porque não esperam um pouco, até 2019, para fazê-lo e debater na campanha eleitoral? Ou têm medo? Medo de quê? Podem votar nesta legislatura: haverá legitimidade jurídica, mas não moral.

2. 2. Foi aprovada a lei que permite a mudança de género no registo aos 16 anos. Não é necessário sequer um relatório médico. Como professor de Antropologia Filosófica, tenho obrigação de saber da complexidade da sexualidade humana. E já fui procurado por quem sofreu demais por estes motivos. Isto, para dizer que é preciso ajudar as pessoas que sofrem com estes problemas. Mas ajudá-las de modo sensato. O que, com esta lei, não é o caso.

2. 3. Há muito que penso que os políticos são mal pagos em Portugal, sendo essa uma das razões por que nos cargos políticos muitas vezes não estão os melhores. Mas, depois, leio que eles se fazem pagar indirectamente com vantagens, pagamentos para deslocações e para isto e para aquilo, com muitos privilégios que os cidadãos ignoram e não têm, embora sejam eles, enquanto contribuintes, a pagar. Acabo agora mesmo de ler (dia 23, às 15.10) que "extras duplicam o salário de deputados", com "subsídios isentos de impostos".

Mas o que me levou a escrever foi o escândalo das viagens de deputados residentes nas regiões autónomas, que usam o seu bilhete, recebendo 500 euros, e pedem o reembolso ao abrigo do chamado "subsídio social de mobilidade". O presidente da Assembleia da República pronunciou-se, declarando que "não infringiram nenhuma lei nem nenhum princípio ético".

Desconheço a lei. Mas, se não infringiram nenhum princípio ético, então confesso que já não sei o que é a ética, nem sequer uma ética de mínimos.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.

Premium

Crónica de Televisão

Cabeças voadoras

Já que perguntam: vários folclores locais do Sudeste Asiático incluem uma figura mitológica que é uma espécie de mistura entre bruxa, vampira e monstro, associada à magia negra e ao canibalismo. Segundo a valiosíssima Encyclopedia of Giants and Humanoids in Myth and Legend, de Theresa Bane, a criatura, conhecida como leák na Indonésia ou penanggalan na Malásia, pode assumir muitas formas - tigre, árvore, motocicleta, rato gigante, pássaro do tamanho de um cavalo -, mas a mais comum é a de uma cabeça separada do corpo, arrastando as tripas na sua esteira, voando pelo ar à procura de presas para se alimentar e rejuvenescer: crianças, adultos vulneráveis, mulheres em trabalho de parto. O sincretismo acidental entre velhos panteísmos, culto dos antepassados e resquícios de religião colonial costuma produzir os melhores folclores (passa-se o mesmo no Haiti). A figura da leák, num processo análogo ao que costuma coordenar os filmes de terror, combina sentimentalismo e pavor, convertendo a ideia de que os vivos precisam dos mortos na ideia de que os mortos precisam dos vivos.