O princípio do fim de Trump?

É bem provável que o dia de ontem venha a ficar na história dos Estados Unidos como aquele em que foi dado o primeiro passo verdadeiramente relevante para afastar Donald Trump da Casa Branca. Ontem ficámos a saber que Michael Flynn, ex-conselheiro de segurança nacional do Presidente Trump, assinou um acordo com Robert Mueller, o ex-diretor do FBI encarregue de investigar eventuais interferências da Rússia na eleição presidencial de novembro do ano passado.

O que nos diz esse acordo? Que Michael Flynn admite ter mentido ao FBI acerca de contactos com o embaixador russo em Washington para discutir sanções impostas pelos Estados Unidos a Moscovo. De todos os crimes de que Flynn poderia ser acusado, este é o mais inócuo e penalmente menos pesado, o que parece indicar que o antigo conselheiro do presidente tem muito a testemunhar sobre as ligações entre Trump e Putin. Aliás, a declaração escrita que Flynn publicou ontem é reveladora: “Reconheço que as ações que confessei hoje em tribunal foram erradas e, através da minha fé em Deus, estou a trabalhar para reparar os danos.” Ou seja, o homem vai falar, vai contar tudo o que sabe. Aliás, a meio da tarde a ABC já dizia que Flynn tinha revelado a Mueller que todos os contactos que manteve com autoridades russas, durante e depois da campanha presidencial, teriam acontecido por ordem de Donald Trump.

Há aqui uma primeira mudança fundamental. Sabemos agora que o presidente é um dos alvos da investigação de Robert Mueller, algo que a Casa Branca continua a negar. Este é apenas um primeiro passo. Todo o processo levará meses e o mais provável é que, mesmo com outros avanços significativos na investigação, o Partido Republicano permaneça leal a Donald Trump. As eleições intercalares de 6 novembro de 2018, onde estarão em jogo todos os 435 assentos da Câmara dos Representantes e 33 dos 100 lugares no Senado, são o potencial momento de viragem, assim se altere o equilíbrio no Congresso.

Se e quando Donald Trump for apeado da presidência, a América arrisca-se a saltar de um pesadelo para outro. Se há algo a que o presidente se tem dedicado desde a posse, para lá do golfe, é a alimentar a sua base de apoio com ódio e teorias da conspiração. Quem o elegeu há pouco mais de um ano mantém-se fiel e será difícil que aceite pacificamente uma derrota na secretaria a meio do mandato.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.