Muitíssimo vale uma bandeira

A visão de atletas sul e norte-coreanos a desfilar juntos sob a mesma bandeira (península em azul claro sobre fundo branco) emocionou a multidão na cerimónia de abertura dos Jogos Olímpicos de Pyeongchang. Mas o facto em si não significa que, como num passe de mágica, a reunificação volte a estar na ordem do dia. Se esta trégua olímpica se prolongar, haverá já bons motivos para festejar. Quanto mais longe a guerra estiver no horizonte, melhor, seja para os 50 milhões que vivem a sul da DMZ seja para os 25 milhões que habitam a norte de uma fronteira que já foi coincidente com o Paralelo 38.

Quando em 1990 as Alemanhas se uniram, muito se especulou sobre se com o fim da Guerra Fria também não seria possível a reunificação da Coreia. Afinal, fora só a decisão de quem acima e abaixo do Paralelo 38 receberia a rendição japonesa no final da Segunda Guerra Mundial que levou à criação de um Norte sob proteção de Moscovo e um Sul na órbita de Washington. Mas se em 1990 todos os cálculos, económicos e políticos, evidenciavam ser mais difícil a reunificação coreana do que a alemã, hoje esses mesmos cálculos revelam diferenças intransponíveis: não só a Coreia do Sul se transformou numa democracia enquanto a do Norte é agora uma república dinástica como a diferença de desenvolvimento entre ambas é colossal, umas 20 vezes se medida em PIB per capita. E, se o Norte está decidido a sobreviver como regime comunista (e por isso o programa nuclear para dissuadir um ataque americano), também o Sul tem pouco interesse numa reunificação imediata.

Igualmente os vizinhos, seja a China ou o Japão, estão pouco motivados para a emergência de uma grande Coreia que a prazo tornar-se-ia uma potência. Claro que tanto Tóquio como Pequim se preocupam com o nuclear norte-coreano e a hipótese de uma guerra a envolver a América, mas para evitar esse cenário a receita é reintegrar Pyongyang na comunidade internacional, negociando com todos.

Assim, que depois deste Jogos de Inverno se mantenha a paz, regresse o diálogo entre os coreanos (e à volta deles) e um dia, construídas as condições, a reunificação aconteça. Sob esta bandeira do desfile de ontem ou outra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.