Arriscar a saúde

A discussão foi feita há uma década e a lei aprovada e Portugal juntou-se ao grupo de países que permitem às mulheres interromper voluntariamente a gravidez até às dez semanas de gestação em hospitais públicos. O processo é física e psicologicamente complexo e a última coisa de que quem recorre à IVG precisa é que tudo se torne ainda mais difícil. Agora, porém, uma mulher que se dirija a um dos maiores hospitais de Lisboa para uma consulta arrisca-se a sair de lá sem saber o que fazer. Da mesma forma como, em breve, aquelas que estão em vias de ser mães arriscam ter de enfrentar o absurdo de terem de escolher o dia em que visitam as urgências de Santa Maria, por exemplo.

A falta de enfermeiros nos hospitais atingiu este ponto de ridículo e a razão é simples de entender: sem nada que os incentive a ficar, optam por sair para unidades privadas ou mesmo para centros de saúde, onde as condições financeiras, de trabalho ou a qualidade de vida que adquirem compensam bem mais do que ficar. É um caso sério que alguns dos maiores hospitais do país já ponderem fechar serviços fundamentais, como a ginecologia e a obstetrícia, porque não têm profissionais suficientes para os garantir. E é um problema que tem de ser resolvido rapidamente e ao mais alto nível. Não criando barreiras à mobilidade e possibilidade de escolha destes profissionais, mas antes garantindo-lhes condições que assegurem que compensa ficar. O que inclui dar prioridade à contratação de meios suficientes para que todo o sistema não torne a colapsar daqui por um par de meses.

Se a despesa não pode crescer, há que estabelecer prioridades, e essas aqui são claras: profissionais em número suficiente e com capacidades reconhecidas, equipamento de qualidade e funcional, instalações no mínimo decentes. Se a saúde dos portugueses e a vontade indiscutível de que todos tenham acesso a uma estrutura pública são preocupações assumidas, então os meios para a sua concretização têm de ser assegurados. Não pode ser uma coisa assim-assim. Sob pena de o próprio Serviço Nacional de Saúde ser posto em causa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.