A cultura geral começa além do inglês, oh là là

Vou a Paris dentro de dias com a família. Tenho a sorte de ter aprendido francês na escola, de ser casado com alguém que foi educada na Suíça francesa e de ter um filho adolescente que frequenta há anos a Alliance Française. Só a minha filha mais pequena precisará assim de ajuda para se fazer entender em França. Vem isto a propósito de uma entrevista hoje no DN com Marie-Laure Poletti, coautora do livro E o Mundo Falará Francês. Diz a académica que "o francês é uma alternativa à globalização à americana" e sublinha que em África, por exemplo, o inglês poderá não ser a melhor arma de comunicação, como parece já terem percebido as empresas chinesas que investem no continente. Melhor usarem o francês.

Mas esqueçamos por um momento a utilidade económica do conhecimento de uma língua (e hoje em Portugal, com tantos turistas franceses, saber francês até é um bom argumento para arranjar emprego). Pensemos sobretudo como saber uma língua diferente nos dá acesso a outra cultura, a outra sociedade, a outra forma de ver o mundo. Imagino que visitar Paris e tentar usar o inglês como língua de comunicação seja possível, mas não será o mesmo que recorrer ao francês. "Good morning, a baguette, please!" não me soa bem, prefiro o "Bonjour, une baguette, s"il vous plaît!" E que dizer da possibilidade de ler o Le Monde sentado numa esplanada no Quartier Latin ou percorrer as livrarias da Rive Gauche.

O filósofo francês Bernard-Henri Lévy disse um dia que "la culture générale commence au-delà de l"anglais". Descodifico: saber inglês é hoje obrigatório para quem estuda, trabalha e viaja e quer ter acesso ao mundo globalizado. Todas as épocas têm a sua língua franca, e o inglês é a da nossa. E coitados dos ingleses e americanos, o que devem sofrer com a forma como ouvem falar o seu idioma, muitas vezes transformado num simple english que insulta quem venera, e bem, a língua de Shakespeare. É o preço do sucesso.

Mas falar francês, espanhol, português, alemão, italiano, russo, árabe, chinês ou japonês, além do inglês, é realmente ter uma cultura além da geral, até porque não sendo um conhecimento por mera necessidade comunicacional significa um interesse vasto pela cultura de origem.

Pensem em como é bom ler Victor Hugo no original. Ou Cervantes. Ou Goethe. Ou Dante. Certamente será tão recompensador como ler Shakespeare. Porquê ficarmo-nos só por uma língua estrangeira?

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)