A Europa virou caserna

A ideia de que vamos continuar a ter o socialista (!?) Jeroen Dijsselbloem como presidente do Eurogrupo é assustadora. Significa que se pode dizer o que quer que seja, porque nada acontece. É já uma Europa a saque, em que ninguém se incomoda quando um eurocrata, desesperado por manter o emprego, dá uma entrevista a um jornal alemão para atacar os povos do Sul, acusando-os de "gastar o dinheiro todo em bebida e mulheres" para depois pedir ajuda aos povos do Norte.

Estivesse vivo George Best, um dos melhores jogadores de sempre do Reino Unido, e de viva voz poderia contar ao dito socialista a sua própria experiência falhada: "Em 1969, abri mão de mulheres e bebidas, e foram os piores 20 minutos da minha vida." Dijsselbloem, bem conhecido de todos nós, acreditará por certo que o Sul da Europa está carregado de génios, ansiosos por viver uma vida louca, ao estilo de Best.

Se os holandeses não o quiseram, se o partido a que pertence foi derrotado pela direita tradicional e pela direita mais radical, porque temos nós de ficar com ele e pagar as mordomias? Dijsselbloem acha que as mulheres servem para gastar dinheiro, talvez o que sobra do que se gasta a beber. Na caserna onde vive o presidente do Eurogrupo falta-lhe mesmo a companhia de Best, para lhe explicar que o dinheiro que não é gasto em "mulheres, bebidas e carros rápidos é dinheiro desperdiçado".

A diferença entre George Best e Jeroen Dijsselbloem é que o irlandês dizia estes disparates sobre si próprio, ao contrário do holandês que quer fazer bonito junto da imprensa alemã insultando gente que trabalha para pagar o seu estilo de vida.

Não é coisa pouca, não. É gasolina no incêndio populista que fez a extrema-direita ultrapassar, na Holanda, o socialismo que Dijsselbloem diz defender. O mesmo populismo que ameaça no Centro e Norte da Europa a solidariedade em que ele diz acreditar. Pode um xenófobo machista, sob a capa do socialismo, presidir o Eurogrupo? Só não pode porque vai deixar de ser ministro das Finanças. Ainda assim, a caserna está mesmo a precisar de uma limpeza geral.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...