A Europa virou caserna

A ideia de que vamos continuar a ter o socialista (!?) Jeroen Dijsselbloem como presidente do Eurogrupo é assustadora. Significa que se pode dizer o que quer que seja, porque nada acontece. É já uma Europa a saque, em que ninguém se incomoda quando um eurocrata, desesperado por manter o emprego, dá uma entrevista a um jornal alemão para atacar os povos do Sul, acusando-os de "gastar o dinheiro todo em bebida e mulheres" para depois pedir ajuda aos povos do Norte.

Estivesse vivo George Best, um dos melhores jogadores de sempre do Reino Unido, e de viva voz poderia contar ao dito socialista a sua própria experiência falhada: "Em 1969, abri mão de mulheres e bebidas, e foram os piores 20 minutos da minha vida." Dijsselbloem, bem conhecido de todos nós, acreditará por certo que o Sul da Europa está carregado de génios, ansiosos por viver uma vida louca, ao estilo de Best.

Se os holandeses não o quiseram, se o partido a que pertence foi derrotado pela direita tradicional e pela direita mais radical, porque temos nós de ficar com ele e pagar as mordomias? Dijsselbloem acha que as mulheres servem para gastar dinheiro, talvez o que sobra do que se gasta a beber. Na caserna onde vive o presidente do Eurogrupo falta-lhe mesmo a companhia de Best, para lhe explicar que o dinheiro que não é gasto em "mulheres, bebidas e carros rápidos é dinheiro desperdiçado".

A diferença entre George Best e Jeroen Dijsselbloem é que o irlandês dizia estes disparates sobre si próprio, ao contrário do holandês que quer fazer bonito junto da imprensa alemã insultando gente que trabalha para pagar o seu estilo de vida.

Não é coisa pouca, não. É gasolina no incêndio populista que fez a extrema-direita ultrapassar, na Holanda, o socialismo que Dijsselbloem diz defender. O mesmo populismo que ameaça no Centro e Norte da Europa a solidariedade em que ele diz acreditar. Pode um xenófobo machista, sob a capa do socialismo, presidir o Eurogrupo? Só não pode porque vai deixar de ser ministro das Finanças. Ainda assim, a caserna está mesmo a precisar de uma limpeza geral.

Exclusivos

Premium

Gastronomia

Quem vai ganhar em Portugal as próximas estrelas Michelin

É já no próximo dia 20, em Sevilha, que vamos conhecer a composição ibérica das estrelas Michelin para 2020. Estamos em festa, claro, e festejaremos depois com os nossos bravos, mesmo sabendo que serão poucos para o grande nível a que já chegámos. Fernando Melo* escreve sobre os restaurantes que podem ganhar estrelas Michelin em 2020 em Portugal.