O património e o turismo como motores de desenvolvimento em Vila Viçosa

Vila Viçosa, a Princesa do Alentejo, vila museu e vila ducal, constitui hoje uma referência turística, histórica e cultural do nosso país. Pelas suas ruas ornamentadas com laranjeiras e com os seus monumentos, é possível respirar aqui uma verdadeira "atmosfera do lugar".

Este ambiente erudito e requintado, que ainda hoje permanece quase intacto, remete os visitantes para uma viagem pela nossa história. É tão inspirador que permite que, em cada pormenor, ou recanto, seja possível esse encontro com o passado.

Foi um burgo medieval de referência em termos políticos, económicos e militares no contexto de inserção nacional e transformou-se paulatinamente numa vila renascentista e maneirista, com elementos barrocos essenciais para a interpretação das características que dão ao barroco português um lugar singular no movimento artístico europeu da época.

A majestosa Callipole (designação atribuída por André de Resende no século XVI) foi berço de gente ilustre e pátria de alguns personagens eminentes na história portuguesa, nas artes, poesia, literatura, ciências, política, religião e música.

Daqui é a alma de Florbela, onde a literatura vive a sua mais alta inspiração poética, e de Túlio Espanca, cujo labor de estudioso ergueu com as mais belas pedras preciosas uma requintada obra de finas e deslumbrantes linhas, onde se capta a verdadeira alma alentejana.

Trata-se de uma localidade rica em elementos arquitetónicos, com espaços de rara beleza natural, um conjunto fortificado singular no contexto peninsular e europeu, edifícios nobres e um vasto conjunto de monumentos religiosos, datáveis do século XV ao século XVIII e que poderão permitir a classificação da localidade como Património Mundial pela UNESCO, cuja candidatura foi apresentada pelo município em 2021.

A existência de um singular legado cultural impõe, necessariamente, o desenvolvimento de políticas que privilegiem intervenções no âmbito da requalificação do património calipolense, de modo a promover a sua valorização e constitui uma ferramenta fundamental para a criação de ativos, também a nível do setor turístico.

Vila Viçosa reúne essas potencialidades e é nossa intenção desenvolver uma estratégia clara, de forma sustentável, com a definição de objetivos, conteúdos, gestão e formas de promoção, procurando integrar a comunidade nos circuitos do turismo cultural e preservando a memória e a identidade local, tão rica e diversificada e proporcionar aos que nos visitam uma experiência única.

A gestão integrada deste património deve basear-se na possibilidade de pensar globalmente e agir localmente, através de uma visão integrada das dinâmicas sociais no território, nas vertentes culturais, ambientais e económicas, identificando lacunas e pontos fortes a nível local, de modo a agir globalmente, promovendo a qualidade e a excelência, definidas com critério.

Nesse sentido, é nosso objetivo criar pontes e criar parcerias com outros organismos e instituições, democratizando o acesso à cultura, requalificando a oferta turística e permitindo um maior desenvolvimento do território. O trabalho em rede é hoje fundamental para a obtenção de resultados e a perceção desse facto orienta a planificação que está neste momento a ser concebida.

A valorização permanente das heranças patrimoniais calipolenses apresenta-se pois como uma condição essencial para a diferenciação da localidade enquanto destino turístico de excelência e essa será a aposta no futuro.

Temos ótimos argumentos e excecionais espaços monumentais que proporcionam uma visita inesquecível, graças à hospitalidades das nossas gentes, à riqueza das nossas tradições e aos inesquecíveis sabores da nossa gastronomia, sem esquecer os doces conventuais característicos e únicos.

Presidente da Câmara Municipal de Vila Viçosa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG