Inteligência artificial – possibilidades infinitas

A inteligência artificial (IA) pode querer dizer várias coisas: sistemas especializados, data mining, análise preditiva, machine learning. Mas fundamentalmente a IA é a capacidade de uma máquina perceber, aprender e raciocinar para exponenciar as capacidades das pessoas e organizações. É um conjunto de ferramentas e abordagens projetadas para aumentar as nossas próprias capacidades.

Enquanto a inteligência humana é um complexo, uma mistura de inteligência percetual e cognitiva que nos permite percecionar, pensar, aprender com diferentes experiências, entender conceitos complexos, resolver problemas de lógica, reconhecer padrões, tomar decisões e interagir com os outros, a IA é um amplificador. O que é fascinante na IA é que, como pode aprender com dados e experiências, pode perceber o mundo que nos rodeia e compreendê-lo para extrair conhecimento, podendo depois usar esse conhecimento para nos ajudar a fazer previsões, otimizar resultados ou adaptar a mudanças externas.

Tal como o software transformou todas as indústrias, a IA está agora a transformar a forma como as empresas contratam clientes, desenvolvem produtos, otimizam operações e capacitam os colaboradores. O que era algo futurístico, é agora uma realidade, de momento estamos um passo mais perto de um mundo onde todas as organizações serão AI-powered.

As organizações podem agora tomar decisões de novas formas, baseadas em insights de grandes conjuntos de dados que possibilitam resultados mais precisos e mais produtivos. Podem quebrar as barreiras através dos seus dados e conectar digitalmente todas as facetas do seu negócio, desde clientes a colaboradores, a operações e produtos, permitindo obter mais rapidamente resultados significativos. Mas o mais importante, as organizações AI-powered colocam deliberadamente a IA nas mãos de cada colaborador - não apenas das equipas técnicas - mas das mais próximas do negócio para que possam desenvolver competências únicas, independentemente de onde os dados provenham.

Serão as empresas a abraçar mais rapidamente esta transformação digital que irão ganhar vantagem no mercado. No entanto, não basta idealizar e querer, é necessário preparar e capacitar as lideranças para atuarem no sentido da transição para AI-powered. É essencial desenvolver o mindset e as skills dos executivos e líderes para que estas sejam amplificadas para toda a empresa e, assim, maximizar o poder da resiliência tecnológica.

Para tal, é essencial a formação destinada a executivos, como são exemplo as parcerias que a Microsoft estabeleceu com a Nova IMS e a Universidade do Algarve. Baseados na AI Business School, os conteúdos desenvolvidos em parceria com o INSEAD procuram auxiliar as organizações a perceber como implementar e desenvolver a IA de uma forma mais prática e maximizar a transformação digital dentro das suas organizações.

Acredito que a IA amplifica o engenho humano para ajudar os colaboradores a fazer mais, alcançar mais e aprender mais ao longo do caminho. E quando as organizações colocam a IA em ação como um elemento central da sua transformação, abrem as portas a infinitas possibilidades.

Diretora-geral da Microsoft Portugal

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG