Érica à janela: "Difícil"

O JN contava, há dias, o caso de Érica que "nem à janela consegue internet para as aulas". Ao fim de uma semana de ensino à distância, ela pousou o computador no parapeito e sorriu para a fotografia. Mas a palavra que lhe saiu com o sorriso foi "difícil". O difícil dela tem explicação: a fibra, conta o JN, parou a pouco mais de um quilómetro da casa, algures na serra de Águeda.

Érica estás à janela com o teu portátil ao vento. Nem podes googlar a palavra "difícil". Se pudesses, encontrarias, no mesmo jornal que mostra o teu olhar à janela, puxando a fibra óptica, a óptima fibra de Raul Zurita, poeta chileno que recebeu, no ano passado, o Prémio Rainha Sofia de Poesia Ibero-Americana. Engenheiro de formação, Zurita estabeleceu laços fortes entre a matemática, a ciência e a poesia. "Se cair uma ponte", disse ele, "muitas pessoas podem morrer. Se cair um poema, nada acontece. Mas é muito mais difícil construir um poema do que uma ponte." Ele tem a autoridade de quem é engenheiro e poeta, mas Érica talvez pergunte para onde dá a janela do chileno e quanta fibra estenderam nas serras em redor da casa dele.

"Quem faz um poema abre uma janela", dizia Mário Quintana, poeta estimável e homem gentil. Já Érica parece condenada a um verso coxo, aquele computador é uma janela que abre para nenhures. Quem faz, para Érica, um poema que estique fibra pela serra de Águeda?

Estico o fio de uma crónica que Cecília Meireles fez para a rádio Vozes da Cidade onde pontificavam Rubem Braga, Drummond, Fernando Sabino, uns quantos mais: "Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor. Outras vezes encontro nuvens espessas. Avisto crianças que vão para a escola. Pardais que pulam pelo muro. Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais. (...) Marimbondos que sempre parecem personagens de Lope de Vega. Às vezes, um avião passa. Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino." E por aí, Érica? "Difícil."

Ela não deve saber que investigadores da Universidade de Campinas produziram fibra óptica feita de ágar, coisa intrincada, um dispositivo que permite o estímulo de neurónios pela luz. O ágar é uma gelatina produzida a partir de um derivado de algas marinhas. No fim, a fibra óptica ganha forma em cilindros de ágar. Deve ser coisa de cabo submarino. Ora, como poderá Érica, com a janela virada para nenhures, encontrar ágar na serra de Águeda?

Jornalista. Escreve de acordo com a antiga ortografia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG