Eleições Intercalares nos Estados Unidos - o Senado*

Os senadores nos EUA são eleitos por 6 anos, com uma renovação de um terço do Senado de 2 em 2 anos - nas Eleições IntercFalares de 8 de novembro de 2022, haverá 35 cargos senatoriais em jogo (incluindo eleições especiais para assentos vagos), 21 assentos ocupados por Republicanos e 14 por Democratas. Terminaram as eleições prFimárias para cada Partido escolher os candidatos.

Ao contrário de muitos países europeus, o Senado dos EUA é muitFo poderoso: o Senado tem de aprovar todos os atos legislativos, "aconselha e consente" todos os tratados celebrados pelos EUA e confirma as principais nomeações presidenciais, incluindo os juízes do Supremo Tribunal e outros cargos governamentais de alto nível. O controlo do Senado é fulcral para a Administração no poder e para ambos os Partidos.

O Senado não é um órgão democrático pois cada Estado norte-americano, independentemente da sua dimensão, tem dois senadores, o que significa que os dois senadores que representam os 576 851 habitantes do Wyoming (Censos de 2020) têm tanto peso e poder no Senado como os dois que representam a população da Califórnia de mais de 39,5 milhões, e este desequilíbrio está a crescer à medida que os estados maiores crescem mais rapidamente do que os mais pequenos. Dada a coincidência da demografia americana, a estrutura do Senado, atualmente, dá muito mais poder aos eleitores rurais (brancos), e ao Partido Republicano, do que à população total do país, e esta tendência é reforçada pela prática no Senado do filibuster, que exige 60 votos para aprovar a maioria da legislação.

"Prevejo que os Democratas manterão o controlo do Senado, acabando por ficar com 50 ou 51 assentos."

Existe uma forte predisposição nas eleições para o Senado a favor dos titulares (86,8% foram reeleitos nas últimas 14 eleições), mas existe uma tendência ainda mais forte: o partido do Presidente perde assentos no Senado nas eleições intercalares, e com o Senado atualmente dividido 50-50 entre Democratas e Republicanos, há alguns meses, os Republicanos estavam confiantes de que ganhariam facilmente o controlo do Senado, com os baixos índices de aprovação de Biden e os americanos a sofrer de uma inflação em rápido crescimento. Desde então: i) as classificações de Biden melhoraram (embora ainda sejam baixas); ii) em várias raças decisivas, os Republicanos escolheram candidatos apoiados por Trump que podem ser vulneráveis numa eleição geral; e iii) os eleitores Democratas foram fortalecidos pela recente decisão do Supremo Tribunal que permite aos estados proibir o aborto.

O resultado das eleições intercalares para o Senado é uma incógnita, com o controlo a ser decidido por pequenas margens em algumas corridas ao Senado. Arrisco-me a estar errado ao prever que, em 31 estados, o partido no poder vencerá a reeleição; o controlo do Senado será decidido por apenas quatro corridas, duas detidas por cada Partido:

- Pensilvânia, onde os Republicanos, possivelmente, perderão um assento,

- Geórgia, um estado tradicionalmente republicano do Sul, onde, em 2020, o democrata Raphael Warnock obteve uma vitória surpreendente numa segunda volta eleitoral. Se os Democratas ocuparem o assento de Warnock, controlarão o Senado. Se o perderem, o que não é improvável, podem ainda manter o controlo se ganharem:

- Um ou outro de Ohio e Nevada, algo que julgo ser provável.

Prevejo que os Democratas manterão o controlo do Senado, acabando por ficar com 50 ou 51 assentos. Se tiverem 51 ou mais, isto significará menos poder para os senadores Democratas individuais, que, sozinhos, podem anular um voto democrata num Senado a 50-50.

Na próxima semana: Eleições Intercalares para a Câmara dos Representantes.

* O segundo de uma série de artigos semanais sobre as eleições Intercalares nos EUA, todas as segundas-feiras.

Autor de "Rendez-Vous com a América, uma explicação do sistema eleitoral americano", Presidente do American Club of Lisbon. As opiniões aqui expressas são pessoais e não do American Club of Lisbon. Para quaisquer comentários: PSL64@icloud.com

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG