A estupidez não é de esquerda nem de direita

Socorro-me do Sérgio Godinho para constatar que, de facto, há dias de manhã em que um homem à tarde não pode sair à noite nem voltar de madrugada. Ontem, para o Bloco de Esquerda, foi um desses dias. O cartaz - parece que agora não passará de um post na internet - que pretende celebrar o fim da discriminação com a promulgação da lei da adoção é, não há outro modo de o classificar, uma estupidez a vários níveis. Desde logo porque reacende desnecessariamente uma discussão que estava arrumada, e bem arrumada, como ganho de civilização. O fim das barreiras à adoção com base na sexualidade dos adotantes é uma vitória e um marco na nossa evolução que deve ser festejado. O problema é quando se transforma a celebração legítima em ato gratuito de provocação e de pirraça mesquinha. E foi isso que fez o Bloco, entregou de bandeja aos talibãs da fé - sim, existem em todos os credos e religiões e, à exceção dos que se servem da violência, não há uns que sejam melhores do que os outros - o pretexto para se vitimizarem e se queixarem da intolerância religiosa de alguns. O que esta campanha infeliz, para dizer o mínimo, conseguiu foi reduzir um triunfo histórico a uma polémica de mata-frades. Ao fazê-lo desta maneira imbecil o Bloco de Esquerda não protegeu o essencial, o respeito devido a uma lei que tanto custou a aprovar e a conquistar. Mas revelou também uma terrível dose de ignorância. Daquilo que sabemos - e não falo de dogmas -, Jesus Cristo era filho de Maria - curiosamente o BE deixou que lhe escapasse o pé para o machismo na narrativa deste cartaz - e cresceu com a mãe e um pai adotivo, José o carpinteiro de Belém. Ora, bem vistas as coisas, a referência bíblica em jeito de piadola - e não, não defendo o respeitinho como modo de agir ou de pensar - nem sequer serve a causa. No limite, o que se terá passado há mais de dois mil anos foi o primeiro registo de uma coadoção, porém heterossexual, da história da humanidade. Aqui chegados, e Deus me livre de qualquer espécie de moralismo, só podemos concluir que pior do que não saber perder é não saber ganhar. Ao fazer uma espécie de manguito aos que se bateram contra esta lei, justa e necessária, o Bloco de Esquerda deu argumentos ao adversário e perdeu uma belíssima oportunidade para estar calado.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".