E as pessoas, pá?

Catarina Martins quer acabar com as parcerias público-privadas na saúde. É uma posição que não espanta. A líder do Bloco desconfia das empresas e dos bancos, exceto se forem públicos, tem muitas reservas sobre a economia de mercado. Dez por cento dos eleitores deixaram-se convencer por esta retórica em outubro do ano passado, nas eleições legislativas, mas embora a percentagem pareça elevada quando comparada com resultados anteriores do BE e também com os do PCP, especialmente com os do PCP, na realidade os números ficaram muito aquém dos conseguidos em circunstâncias políticas parecidas - recessão profunda, desemprego, austeridade - pelo Podemos (20,7%) e pelo Syriza (35,1%).

O grande pormenor de António Costa ter precisado dos votos do Bloco para formar governo acabou por atribuir a Catarina Martins uma importância muito acima dos votos recolhidos e ajudou a esconder esta evidência, um resultado pífio, mas isso, a dinâmica atual que o partido inegavelmente atravessa, não significa que o BE tenha a vida facilitada, pelo contrário. Apoiar o governo num dia e criticá-lo no dia seguinte envia sinais contraditórios, é confuso, é pouco claro, é escorregadio, pode ter consequências imprevisíveis.

Neste contexto, qual é a mensagem dos bloquistas? Na verdade, é igual à dos comunistas. Há uma espécie de campeonato entre os dois partidos, eles vigiam-se de perto, daí a necessidade que o Bloco tem de regressar à vulgata anticapitalista mais rudimentar para não perder terreno nos temas, digamos, mais core - abaixo os bancos privados, as PPP na saúde, etc., etc. -, apesar de parte do seu eleitorado urbano não se rever em nenhuma destas bandeiras genéricas.

Há outros assuntos nacionais com impacto na vida das pessoas que poderiam ser explorados - mas por algum motivo nunca o são. Por exemplo, as dívidas do Estado às empresas voltaram a aumentar neste ano, o que provoca graves dificuldades de tesouraria, impede ou atrasa o investimento, justifica salários em atraso e afeta o PIB. O Bloco não fala disto porquê? E as tabelas de retenção do IRS, construídas de modo a financiar o Estado (600 milhões todos os anos) com dinheiro que deveria estar no bolso das famílias, isto não indispõe Catarina? O Bloco gosta mais do cidadão do que do consumidor, mas talvez se lhe chamar cidadão-consumidor perceba que há muito a fazer neste campo para ajudar as pessoas. As pessoas - a economia de mercado é só um detalhe ideológico.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.