Conselhos do Estado

Para os devidos efeitos, torna-se público e deve ser afixado nos locais habituais, o EDITAL que se segue, onde constam algumas recomendações, orientações, proibições e outras regras obvias, que se destinam aos cidadãos residentes na República das Bananas, de forma a evitar a sobrecarga dos serviços, um atendimento deficiente ou inexistente, transtornos escusados ou ideias peregrinas de que o estado está ao serviço dos seus cidadãos.

Não comer bacalhau à Brás em pic-nics no verão.

(pode haver salmonelas nos ovos e provocar intoxicações alimentares indesejáveis, que podem por em causa a saúde e estragar o ambiente do pic-nic)

Não adoecer em Agosto.

(como é público e notório, em agosto os médicos e enfermeiros vão de férias, como toda a gente, e não há escalas que aguentem a quantidade de pessoas que teimam em ficar doentes durante este período estival)

Não apanhar gripe no inverno.

(provocar caos nas urgências com casos de gripe não permite ao sistema que possa dar resposta atempada, eficaz e profissional às outras doenças da época e às doenças súbitas)

Não sair de casa na primavera.

(os pólenes desta estação do ano provocam alergias e problemas respiratórios que entopem as urgências, que ainda estão a receber os doentes que optaram por não ter gripe no inverno)

Não apanhar escaldões no verão

(no inverno, se ninguém apanhar gripe, há mais meios para tratar dos escaldões)

Não beber demasiado na queima das fitas.

(como há muitas festas académicas concentradas em poucos dias, o sistema não aguenta a procura)

Não procriar em datas que coincidam, nove meses depois, com possíveis partos em período de férias.

(e fins de semana, dias santos de guarda, natal e ano novo, Páscoa e qualquer outra semana do ano em que haja um ou mais feriados).

Não ter acidentes na neve durante inverno.

(os serviços de ortopedia estão cheios por causa da Serra da Estrela e por causa dos incautos que apanham gripe nesse período do ano)

Não beber água durante o verão.

(as barragens estão nos mínimos e a pouca água armazenada é necessária para rega, cozinha e duche)

Não ir à escola durante o ano letivo.

(há professores por colocar, escolas sem funcionários, telhados com amianto, salas de aula sem aquecimento ou sem ar condicionado. Ter todos os estudantes na escola ao mesmo tempo durante nove meses não permite dar condições a todos).

Não cometer crimes durante as férias judiciais.
(o sistema está a funcionar com serviços mínimos, pelo que cometer crimes nestas alturas concorre para o mau funcionamento e os atrasos na justiça).

Não votar nas eleições para o parlamento Europeu.

(as eleições são sempre em junho, que não é boa altura para fazer campanha eleitoral, porque há escaldões, queima das fitas e alguns crimes, o que põe em causa o regular funcionamento das instituições)

Não circular em excesso de velocidade ao fim de semana, feriados, férias e em todos os demais dias úteis, entre as 17.00 e as 09.00.

(todas as infrações rodoviárias devem ser cometidas de segunda a sexta, entre as nove da manhã e as cinco da tarde, altura em que o contingente policial que fiscaliza a circulação automóvel está presente em maior número, em virtude da falta de efetivos e da dificuldade de fazer escalas de serviço).

Não aproveitar as férias para renovar documentos ou tratar de assuntos relacionados com a administração pública.

(pelas razões anteriormente apontadas, a operacionalidade dos serviços públicos pode estar comprometida)

Não frequentar zonas balneares durante o verão.

(facilmente se percebe que a elevada concentração de cidadãos a caminho das praias provoca engarrafamentos, congestionamento de trânsito e faz aumentar a emissão de gases nocivos, provenientes da combustão feita pelos motores dos veículos que transportam os cidadãos, que passam horas nas filas)


Jornalista

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG