A Europa não deve tornar-se uma zona sem lei

Por um breve instante, a situação na fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia terá chamado a atenção do público. As imagens de 3 a 4 mil refugiados vindos de Iraque, Síria, Iémen e outros lugares, atraídos pelo presidente Lukashenko, reunidos na fronteira do lado bielorrusso em condições desumanas, terão comovido a opinião pública europeia. Foram formuladas doutas análises geopolíticas, reações repressivas também (sanções, militarização da fronteira), mas o drama humanitário continua sem ter recebido uma resposta política real. Desde setembro de 2021, aqueles que conseguiram cruzar a fronteira entre a Polónia e a Bielorrússia encontram-se numa zona militarizada e perigosa, à qual nem médicos, nem jornalistas, nem as ONG têm acesso. Na floresta de Białowieza, uma das últimas florestas "primárias" da Europa, homens, mulheres e crianças estão a morrer de hipotermia, sede e abandono.

Os guardas da fronteira polaca ignoram os seus pedidos de asilo e empurram-nos sistematicamente de volta para a fronteira com a Bielorrússia. No entanto, essas práticas constituem repulsão, que é proibida mesmo em tempos de crise. Trata-se de violações da Convenção de Genebra de 1951 relativa ao Estatuto dos Refugiados (artigo 33.º), da Convenção Europeia dos Direitos Humanos (artigo 3.º) e do seu Protocolo n.º 4 (artigo 4.º), dos princípios fundamentais da Carta dos Direitos da União Europeia (Artigos 18.º e 19.º), todos instrumentos vinculativos que devem ser observados pela União e pelos seus Estados membros.

Forçadas por soldados bielorrussos a cruzar a fronteira, algumas famílias viram-se rejeitadas mais de dez vezes, ou separadas, causando terríveis tragédias humanas. Em 19 de novembro, a comissária do Conselho da Europa para os Direitos Humanos, Dunja Mijatović, apelou ao acesso à ajuda humanitária, incluindo a ajuda internacional, e reiterou a urgência de pôr fim às violações sistemáticas dos direitos humanos. As ONG como Grupa Granica e Human Rights Watch publicaram relatórios específicos sobre o estado dessas violações [1]. No local o eurodeputado Pietro Bartolo, o médico dos migrantes de Lampedusa, observou "violações generalizadas dos direitos humanos, do Estado de direito, das convenções", "uma atmosfera de terror" e "uma catástrofe humanitária".

A Comissão Europeia reagiu a 1 de dezembro de 2021. É certo que propôs (com base no artigo 78.º, n.º 3, do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia) que o Conselho adotasse medidas de emergência para permitir aos Estados europeus em causa gerir a crise que estão a viver [2]. No entanto, longe de reafirmar o carácter fundamental do direito de asilo, o texto visa autorizar as autoridades polacas, lituanas e letãs a aplicarem o procedimento acelerado na fronteira a todos os pedidos de asilo. Na verdade, torna o pedido de asilo dessas populações que precisam de proteção internacional ainda mais ilusório e apoia a legalização das expulsões em massa. No entanto, os acontecimentos que estamos a testemunhar não são uma "crise migratória". Os poucos milhares de pessoas na fronteira são um pequeno grupo, cuja presença foi politicamente instrumentalizada e dramatizada. Assim, não foi comprovada a existência de uma "situação de emergência", quando o estabelecimento da zona proibida ameaça o quotidiano e a subsistência económica de dezenas de milhares de habitantes da zona fronteiriça.

Esta decisão representa uma ameaça para todos os cidadãos da UE. Porque, ao endossar medidas ilegais de governos autoritários, deixa-os livres para estabelecer zonas sem lei no seu território. A União Europeia, alicerçada na lei e na defesa dos direitos fundamentais, não pode pisar esses valores, sob o risco de negar a sua própria essência.

O futuro de uma União de direito desenrola-se hoje na floresta de Białowieza. Exortamos o Conselho da União a abandonar a legalização destas derrogações aos tratados de proteção dos direitos humanos. Pedimos-lhe que dê respostas europeias, humanas e adequadas à emergência humanitária, que ative imediatamente os mecanismos de proteção das pessoas vulneráveis ​​e que respeite o direito de asilo.

Não se trata de dar lições de moral a um determinado país. Vários países da União Europeia podem ser criticados no que toca ao respeito pelos direitos fundamentais. Todos os países têm o direito de querer controlar as suas fronteiras. Mas, perante as práticas ilegais e desumanas que persistem e se institucionalizam, é urgente resgatar as normas universais e fundamentais do direito. Nós, cidadãos da UE, temos de nos pronunciar e defender este direito porque, numa democracia, só a lei é o baluarte contra a arbitrariedade.

Primeiros signatários:
Anca Ailincai (Universidade Grenoble Alpes), Marie-Laure Basilien-Gainche (Universidade Lyon 3), Yasmine Bouagga (CNRS), Laurence Burgorgue-Larsen (Universidade Paris 1), Dorota Dakowska (Sciences Po Aix), Virginie Guiraudon (Sciences Po Paris), François Héran (Collège de France), Izabela Main (Universidade de Poznan) Sébastien Platon (Universidade de Bordeaux),
Guillaume Sacriste (Universidade Paris 1), Despina Sinou (Universidade Sorbonne Paris Nord),
Serge Slama (Universidade Grenoble Alpes), David Szymczak (Sciences Po Bordeaux), Antoine Vauchez (CNRS)

[1] Grupa Granica, Humanitarian crisis at the Polish-Belarusian border, dezembro.
[2] COM(2021) 752, 1 de dezembro 2021.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG