Medo de ter medo

É uma espécie de «tremor de terra de ansiedade». Surge habitualmente de um ou vários episódios de ataques de pânico e transforma-se no medo de viver o dia-a-dia. Quem sofre deste problema tem tanto medo de morrer que se esquece de viver.

Já imaginou estar bem, em casa, a ver televisão e começar a sentir falta de ar ou o coração a palpitar? Ou no cinema a ver o filme que tanto queria ver e, de repente, suores frios, sensação de vertigem e um medo irracional de enlouquecer ou de morrer? O cenário não é animador, mas estes são alguns dos muitos sintomas de quem sofre de ataques de pânico.

O ataque de pânico pode surgir de forma isolada, de vez em quando, mas o problema agrava-se quando a pessoa passa a sentir medo de voltar a ter um episódio. É o «medo de ter medo» na sua maior expressão. «Costumo dizer que o ataque de pânico é um "tremor de terra da ansiedade", ou seja, um surto agudo de ansiedade que tem caraterísticas físicas», explica Vítor Cotovio, psiquiatra e psicoterapeuta. Este «tremor de terra» surge de forma repentina, sem avisar, tendo um caráter inesperado e abruto.

Continue a ler o artigo na Notícias Magazine.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.