A cientista que procura vida extraterrestre

Não é ficção científica, mas tem os ingredientes de uma aventura galáctica. A primeira astrobióloga portuguesa passa os dias a tentar encontrar pistas para resolver dois enigmas: como surgiu a vida na Terra e se existe vida fora dela. As respostas tanto podem estar em meteoritos, em Marte ou nas luas geladas de Júpiter e Saturno.

Quarenta anos. Um feito científico. Zita Martins conseguia finalmente colocar um ponto final na dúvida que se alastrava há mais de quatro décadas: as bases nitrogenadas dos meteoritos seriam realmente extraterrestres? O calendário avançava entre 2005 e 2006, quando a astrobióloga portuguesa, licenciada em Química pelo Instituto Superior Técnico, aceitou ser cientista convidada na agência espacial norte-americana, enquanto concluía o doutoramento em Leiden, na Holanda. Seriam as suas investigações na NASA a permitir desvendar o mistério. «Os cientistas detetavam bases nitrogenadas - moléculas do nosso código genético - em meteoritos. Só que a comunidade científica não sabia se essas moléculas eram extraterrestres ou simples contaminação terrestre. Eu fiz análises que mostram que são extraterrestres e resolvi de uma vez por todas essa discussão.»

Se o leitor ficou com a cabeça no espaço durante o primeiro parágrafo, fique a saber que a viagem continuará sem os pés muitos assentes na Terra. Hoje, tal como em 2005, o raio de ação de Zita Martins estende-se até aos limites da resposta a dois dos mais cativantes enigmas do universo: «como é que a vida surgiu no nosso planeta», e «se existe vida extraterrestre, onde é que se manifesta e se teve uma origem semelhante à nossa». A primeira astrobióloga portuguesa tem de recuar ao passado mais remoto para explicar de onde vimos. «Sabemos que a vida terrestre surgiu há cerca de 3,5 a quatro mil milhões de anos» através de fósseis, que não só funcionam como «amostras reais» como ajudam a fazer os cálculos. O sistema solar, esse, formou-se bem antes, há 4,6 mil milhões de anos. «Temos amostras extraterrestres na Terra, ou seja, meteoritos que vieram, na maioria dos casos, da cintura de asteroides entre Marte e Júpiter. Quando analisamos os meteoritos, por vários processos, conseguimos datá-los. Alguns não foram significativamente transformados desde a formação do sistema solar.» Pelo meio, entre 4,6 e 3,8 mil milhões de anos, «a Terra sofreu um grande bombardeamento de cometas e asteróides».

Continue a ler na Notícias Magazine o perfil de Zita Martins, cientista no Imperial College, em Londres, onde gere uma bolsa de um milhão e meio de euros, colaboradora da Agência Espacial Europeia e da NASA, que quer agora continuar a viagem interminável em Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.

Premium

João Gobern

Navegar é preciso. Aventuras e Piqueniques

Uma leitura cruzada, à cata de outras realidades e acontecimentos, deixa-me diante de uma data que, confesso, chega e sobra para impressionar: na próxima semana - mais exatamente a 28 de novembro - cumpre-se meio século sobre a morte de Enid Blyton (1897-1968). Acontece que a controversa escritora inglesa, um daqueles exemplos que justifica a ideia que cabe na expressão "vícios privados, públicas virtudes", foi a minha primeira grande referência na aproximação aos livros. Com a ajuda das circunstâncias, é certo - uma doença, chata e "comprida", obrigou-me a um "repouso" de vários meses, longe da escola, dos recreios e dos amigos nos idos pré-históricos de 1966. Esse "retiro" foi mitigado em duas frentes: a chegada de um televisor para servir o agregado familiar - com direito a escalas militantes e fervorosas no Mundial de Futebol jogado em Inglaterra, mas sobretudo entregue a Eusébio e aos Magriços, e os livros dos Cinco (no original The Famous Five), nada menos do que 21, todos lidos nesse "período de convalescença", de um forma febril - o que, em concreto, nada a tinha que ver com a maleita.